Comunidade Portuguesa de Ambientalistas
Ring Owner: Poli Etileno Site: Os Ambientalistas
Anterior Lista Aleatório Junte-se a nós! Próximo

2006-03-18

Atributos de uma folha de trevo

Desenhei um trifolium,
.
.
e matematizei-o assim:
.
Para um quadrifolium,
.
.
Descartes propõe uma equação assim:
.
São Patrício dizia, quer queiramos ou não, que na folha do trevo estava a Trindade: Três folhas unidas num ápice sagrado.
.
Quando são trifoliums, a Terra dá-os, assim,
.
ou assim.
.

Com uns pós de pririlim pim pim os trifoliums

transformam-se assim:

ou assim.

Quando a natureza produz quadrifoliums, eles são exóticos assim:


-Eh Home!!! "Tu na compliques iste"!!! Dirá o amigo Batista.


"O trevo é só cumida das vacas."

E você, acredita que um trevo de quatro folhas lhe traz sorte?

Félix Rodrigues

Nota- Este post foi indirectamente sugerido pelo Helder Xavier do Fala quem sabe e pela Trequita.

Links interessantes:

Um só trevo e uma Campina em Palavra de Pantera

St. Patrick's Day e trevos negros

Em mil trevos um tem quatro folhas

125 Comments:

At 09:01, Blogger frosado said...

"apanhar o trevo
o trevo do chão
apanhar o trevo
na manhã de s. joão".

lindo post, Féix

 
At 10:06, Blogger Paulo J. Ribeiro said...

Claro que um trevo de quatro folhas dá sorte, todos sabem disso, e não vai ser uma qualquer fórmula matemática ou uma demonstração científica que vai provar o contrário. Dá sorte, e pronto!

Quem nunca procurou um trevo de quatro de folhas?
Quem nunca se sentiu cheio de sorte ao fazê-lo?
Quem nunca contou a toda a gente que o fez como se lhe tivesse saído o Euromilhões?

Se dá sorte?

Só é preciso acreditar.

"Ê uóme!Nisse!" (esta é mais o Ramiro!!)

 
At 10:30, Blogger Era uma vez um Girassol said...

Que maravilha de post!
Parabéns!
Sim, sempre ouvi dizer que um trevo de quatro folhas dá sorte e acredito...
Adorei! Muitíssimo criativo, com fotos belíssimas.
Bjinho

 
At 11:52, Blogger Fátima Silva said...

Hoje apetece-me a falar de sensações, especificamente das sensações que esta postagem me provocou quando iniciei a desbravá-la, melhor digo, a desfolhá-la.
Por acaso vim aqui ao teu espaço, assim como quem o faz sempre todos os dias.
Então deparei-me com um desenho feito a compasso e pensei "Isto hoje promete". Continuei com o cursor, melhor com a abelhinha, confiante que ela me havia de ajudar.
De trifolium a quadrifolium, bem "isto vai-se complicar", continuei a matutar.
Da expressão matemática à simplicidade do trevo e rendi-me com este pensamento "a matemática está em toda a parte, e a natureza é um manancial de oportunidades para a explorar"...
continuando, apegada à abelhinha e devagarinho, pois estava com medo de me perder, deparo-me com o simpático Batista a desmistificar e a simplificar as questões:
"cumida pas vacas" e ponto final na história.
Depois recordei-me que o meu pai pensaria o mesmo e também milhares de pessoas neste pequeno arquipélago. Vidas simples...
Pensar complica! Mas que faríamos se o pensamento não nos atormentasse algumas vezes? Acontecia que..."é tudo pas vacas, pas cabras, pas isto e aquilo..."
De verdade, verdadinha que é mais ou menos isso que acontece nesta ilha de Jesus e por muitas outras ilhas.
É preciso muito pasto, pois as vacas precisam de dar leite.
Desta forma lá se vão sacrificando uns hectares de mata
"tamem aquilo ali na dava nada!" - e a rica biodiversidade dos Açores
"tamem p'ra que é que a gente qué o cedro-do-mato, o azevinho,as margaridas? P'ra gente vê, na...na... e despois quemaé que a gente comemos?"
Cá está! E como é que a gente faz para despertar este povo simples e acolhedor que luta com vinténs e vive com os subsídios do governo?
Um trevo de quatro folhas... uma história de vida...

Vou quebrar o dito e desejo-lhe um óptimo fim-de-semana.
Um beijinho

 
At 12:10, Blogger Cidalia said...

ACredito na sorte do trevo de 4 folhas, acredito no azar dos dias 13, acredito no mau olhado, acredito nestas coisas todas.... mas também acredito que isto podem ser parvoíces minhas!

 
At 12:25, Blogger TMara said...

k beleza. A ideia. Seu desenvolvimeto e o desdobrar dos olhares complenentado pelo uso diário.
Bom f.s. Bjs e ;)

 
At 12:47, Blogger Maria Costa said...

Respondo: acredito no Trevo...

Obrigada pela postagem.

Beijinhos.

 
At 13:13, Blogger FSilva said...

Quem nunca procurou um trevo de quatros folhas, ponha o dedo no ar.


Muito interessante o post, a simplicidade da matemática,da natureza e da natureza humana, num equilíbrio perfeito.

Bom fim de semana

 
At 13:18, Blogger HatA/mãe said...

vemo-nos em breve ;)?

lindo post como sempre

um abraço

 
At 13:29, Blogger azoriana said...

A sorte do trevo de 4 folhas está precisamente em encontrá-lo.
Há pouco tempo meu filho trouxe um trevo de 4 folhas mas não lhe deu sorte porque está de cama. Espero agora pela sorte de ficar bom e voltar às aulas.
Por falar em aulas... essas fórmulas matemáticas pouseram-me a pensar que não sei nadica de nada de matemáticas... sei que é triste mas nunca mais chegava lá. Diria como o Batista: "Eh, home!" (risos)

Um bom fim-de-semana e faz hoje 8 dias que o dia esteve excelente.

 
At 13:32, Blogger azoriana said...

Errata: "puseram-me" em vez de "pouseram-me".
Foi um lapso que dei conta logo a seguir.

Cumprimentos

 
At 14:07, Blogger a lice said...

Dá um abraço meu ao Hélder!:))

 
At 14:54, Anonymous Mar said...

Estive observando meu blog e observei que peguei seríssmo qd vi que não tinha colocado teu link lá. Corrigi meu erro agora. Obrigada Félix por observar que não expliquei sobre a gestão das baleias, agora consertei...rs. As baleias valem mais para a humanidade, vivas! O número delas na atualidade tende a diminuir mesmo se não forem predadas pelos humanos, devido ao stress por vários motivos entre eles a poluição e o tráfego marinho. Não sei se ainda há tempo, conforme o cientista britânico James Lovelock ou agimos de imediato para salvar o planeta ou vamos dançar mais rápido que imaginamos. Então, o que menos deveria dos preocupar é tal gripe aviária, e sim tentar combater o que está provocando a gripe aviária. Tua dissertação sobre os trevos é o máximo das máximas.

 
At 16:26, Blogger Desambientado said...

Fátima Rosado.

A minha mãe cantava essa canção, lembro-me perfeitamente da outra quadra:

"Não me atires com pedrinhas
que eu estou a lavar a louça,
atira-me com beijinhos
em hora que meu pai não ouça."

Não faço a mínima ideia de quem canta isso.

Vejo que recuperaste o blog.

 
At 16:41, Blogger Desambientado said...

Paulo Ribeiro.
Será que se provasse matematicamente que acreditar na sorte de um trevo de quatro folhas era uma idiotice, que os trevos de quatro folhas apereciam mais vezes?
Acho que eles andam escondidos, para que alguém prove matematicamente que encontrá-los não e uma questão de sorte.

Matematicamente, a probabilidade de encontrar um trevo de quatro folhas num pasto de trevo, é reduzida, mas não nula.
Se encontrar algo com uma probabilidade reduzida é uma questão de sorte, então encontrar um trevo de quatro folhas é uma questão de sorte. Se por sorte o encontramos, não quer dizer que traga sorte consigo....
O mais últil será pensar que o trevo é "cumida para as vacas". também vejo bem o Agostinho a dizer isse.

 
At 16:53, Blogger Desambientado said...

Era uma vez um Girassol.

Cara amiga cumpre-me informá-la que as fotos não são da minha autoria. Encontro-as por aí e depois perco-lhes o rastro...
Quanto ao trevo da sorte e do trevo trazer sorte, eu tive sorte em ter vivido um pouco a apanha do trevo e de ter visto o bonito que era as pessoas relacionarem-se de forma espontanea e amistosa. Acho que passar por isso foi uma questão de sorte, mas quem trabalhava arduamente na apanha do trevo, teve muito azar. Era e é uma vida dificil.

 
At 17:01, Blogger mcapote said...

Lembro-me de mais nova procurar trevos de quatro folhas, acreditando que davam sorte, e até consegui ter alguns que os sequei e colocava em livros. Hoje é a minha filha, com a mesma convicção, que os procura. Sorte é conseguir encontrá-los. Bom fim de semana.

 
At 17:22, Blogger vidal said...

Que bom era o tempo em que tinha todo o tempo para descobrir folhas de trevo, fazer sair os grilos dos seus buracos, apanhar rãs no meio do charco que saltitavam irrequietas entre o junco. Guardava todos os meus tesouros dentro de uma caixinha.
Mas a irresponsabilidade de uma criança com uma infância deliciosa e livre deu lugar a uma mulher comprometida, ocupada,preocupada. Quem sabe um dia deste possa tirar algum tempo para procurar o trevo de quatro folhas com as minhas filhotas, talvez não dê sorte mas é uma alegria.
A ingenuidade de acreditar que o trevo era uma planta espontânea quebrou-se quando mais tarde descobri que afinal o trevo também é semeado e alimento para as vacas.
A singularidade do mundo rural ainda continua a deslumbrar-nos.

 
At 18:00, Blogger Desambientado said...

Fátima Silva.

Obrigado pela análise profunda do post. Vou apenas dar-te uns pequenos esclarecimentos:

-Quando dizes que se passou da expressão matemática à simplicidade do trevo, a ideia era ser excatamente ao contrário. Passa-se da pobre geometria, à riqueza da folha de trevo. A pobre geometria (simples linhas) é vista como sendo complicada (equações) e a folha de trevo (cheia de veios e padrões) como sendo acessível. O que uma é, a outra não é.

-A Natureza é efectivamente um manancial a explorar não só no campo da matemática, mas também da física,da química, da biologia, da espiritualidade e da utilização botânica. A ideia pretendia ser essa. Uma simples folha de trevo poderá dar origem a um tratado.

-A intenção de terminar de forma abrupta com a comida das vacas, era acentuar a singeleza das visões sobre uma temática, que como muito bem indicas pode levar à perda da biodiversidade.

A ideia do post também era acentuar a necessidade de se fazer educação ambiental, discutindo visões, em vez de impor visões. Por vezes a visão mais simples deixa-nos perfeitamente desconcertados.

Até o trevo pode ser bonito, ou então poderemos resumi-lo simplesmente a comida para as vacas.
O valor intrinseco do trevo é tanto maior quanto maior for o conhecimento que temos sobre ele. Comida para as vacas é a questão meramente prática.

Preciso de uma folha tua com a alteração do título e outra com a bibliografia, até amanhã à tarde. É possível?

 
At 18:35, Blogger Desambientado said...

Cidália.

Por aquilo que descreves, és muito crente. Fico na dúvida se efectivamente és muito crente ou se duvidas de tudo. Penso que cultivas a dúvida metódica.

Tens sorte se passares com os teus meninos muito tempo a procurar trevos de quatro folhas e aproveitares esse tempo para lhes explicares outras coisas. Terás azar se não tiveres qualquer objectivo na apanha do trevo de quatro folhas. Essa é a minha opinão, pouco fundamentada.

Bom fim de semana.

 
At 18:42, Blogger Desambientado said...

Tmara.

Tal como referi anteriormente no contra-comentário à Fátima Silva, o objectivo do post era acentuar valor intrinseco do trevo (ou de qualquer outro ser vivo, pensando que este será tanto maior quanto maior for o conhecimento que temos sobre ele.

Obrigado por aqui voltar. É um prazer contar com a sua opinião.

 
At 18:50, Blogger Desambientado said...

Maria do Céu.

Eu sei que você acredita em tudo, não percebi é se é supersticiosa!?

Eu é que lhe agradeço a fidelidade da leitura.

Bom fim de semana.

 
At 19:06, Blogger Desambientado said...

Amiga Noite Estrelada.

Estive no teu blog e não consigo deixar-te mesagens porque não acedo ao haloscan.

Quero dizer-te que a vida é breve comparada com a eternidade. Vejo que acreditas em muito mais do que a simples existência. Acredita também que o sofrimento pode ser breve. É breve porque sabemos que existimos muito pouco tempo, se nos encontramos é porque mais existe. Pensa nisto. Pensa que a eternidade pode ser longa. Colhe a vida e a beleza da vida agora. Não sofras tanto.

Muitos beijos.

 
At 19:07, Blogger Eli said...

Acredito que a sorte somos nós que a fazemos... apesar de haver casualidades... precisamos é de saber aproveitar as boas ondas... mas em Angra não há praticamente ondas, pos isso, vejo o Oceano e nem reparo nos trevos!!!

:)

 
At 19:14, Blogger Maria Costa said...

Não acredito em tudo, não senhora!

Bom sim de semana.

 
At 19:17, Blogger Daniela Mann said...

O Paulo J. Ribeiro falou bem!
EH EH EH EH

 
At 19:21, Blogger marakoka said...

gostei de ler. belas fotos
gostei de ver
jocas maradas

 
At 20:22, Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba said...

Pois...

Já tive canteiros imensos de trevinhos... O que dá a sorte e para mim é sempre muita, é o verde que há desde a raíz e que percorre todo o pé da plantinha, até a ponta de cada folhinha... Trevos dão sorte por estimularem a imaginação... Não é o trevo em si que trás a sorte, que dá o retorno, mas o trajeto pelo sonho...

O verde tem a capacidade de dar sorte... Aqui temos um dito popular, que se refere a imagem de alguém, radiante e como se tla alegria fosse conseguida por algum encantamento verde... Como se a felicidade de tal pessoa estivesse acontecendo, em "razão dela ter visto passarinhos verdes"...

Então o que trás a sorte, é o verde!!! Nem é o passarinho e nem o trevinho!!! Ou por outro lado, são os dois e por estarem todos em harmonia com a natureza...

Conclusão: a sorte tem muitos tons... Pode ser verde!!! E a sorte pode também ter muitos tons e nuances de todas as cores e está espalhada em pela natureza!!!

Beijinhos de bom final de semana!!!
ò,ó

 
At 23:14, Blogger Trequita said...

Como é raro encontrar-mos trevos de 4 folhas tornou-se motivo de superstição...
Nunca encontrei um trevo de quatro folhas! Nem por isso deixo de ser feliz, nem ansei por mais do que aquilo que já tenho...
Bjokitas e obrigada por ter sido a tua musa inspiradora :)

 
At 23:59, Blogger Jardineira aprendiz said...

Quando era miúda havia uma planta na escola primária a que chamávamos trevo. Pelo que me lembro dela agora acho que devia ser uma oxalis (nome científico e tudo! :) ) Enquanto a planta existiu um dos nossos passatempos no recreio era procurar trevos de 4 folhas. Apareciam de 4 e de 5! Não sei se dava sorte mas dava um gozo imenso, quando encontrávamos um destes troféus!
Enfim, apeteceu-me partilhar!

 
At 00:56, Blogger aprendiz de viajante said...

Não acredito no trevo... acredito nas minhas mãos!!! A sorte somos nós que a buscamos ou agarramos quando nos passa por entre os dedos!

Gosto muito da forma como apresentas os teus post!!! Terá sido uma sorte te encontrar ?

Bom Domingo.

 
At 08:52, Blogger Isabel José António said...

Amigo Félix Desambientado,

As fotos estão espantosas. Fazem lembrar a lógica matemática de que é feita a Natureza e o Universo e que os homens representam assim e de outras formas.

E a matemática é simples. Tem é que se estudar, praticar.

Causa-nos espanto a simplicidade dos trevos, tão habituados estamos a andar de "complicómetro ligado" para tudo e para nada.

E se olhares com atenção, toda a tua melhor atenção, para um trevo, sem fazeres comentários e com o "complicómetro" desligado, verás e sentirás que não existem grandes diferenças entre a matérias de que é constituído o trevo e aquela de que tu também constituído.

Somos todos um só. Todos feitos com o "Pó das Estrelas" e para esse pó regressaremos.

Não páro de me espantar co os teus post's.

Um verde e simpes trevo
Contém na sua simplicidade
Tudo o que há e nem me atrevo
A não ver nele toda a verdade

Um abraço.

José António

 
At 10:03, Blogger Desambientado said...

Cara Fernanda (Fsilva).

Mais uma vez me rendi à simplicidade das coisas e à complexidade da nossa mente. Einstein dizia, e com razão, que quando uma teoria era demasiado rebuscada e complexa, certamente estaria errada.

 
At 10:08, Blogger Desambientado said...

Azoriana.


As formulas de matemática estão aqui, apesar de eu próprio considerar que também a Matemática é uma forma de arte, para dar a ideia de que a ciência é pobre na descrição da natureza. Essas equações matemáticas, aparentemente complexas, só descrevem os risquinhos a vermelho. Um trevo, que é uma coisa simples, é muito mais do que isso. Nãoé necessário saber matemática para perceber esta simples ideia.

Beijinhos e continuação de um bom fim de semana.

 
At 10:14, Blogger frosado said...

O resto da cantiga, porque tu mereces:

Apanhar o trevo
Apanhar o trevo
Ó Maria, não te encolhas,
Apanhar o trevo
O trevo de quatro folhas.
Quem está bem deixa-se estar
E eu não posso estar melhor;
Estou à beira de quem amo
Não há regalo maior

Apanhar o trevo
Não te encolhas, ó Maria
Apanhar o trevo
Até ao romper do dia.
Apanhar o trevo
O trevo do chão.
Apanhar o trevo
Na manhã de S. João.

Qt ao Cardeal, lá no meu blog, desconfio quem seja o engraçadinho. Um dia dstes conto-te.

 
At 10:14, Blogger Desambientado said...

A lice.

Você conhece o Helder? Pode crer que quando o vir lhe direi.
Ele sabe do seu nik name?

Um beijinho para a Guiné? É aí que está?

 
At 10:21, Blogger Desambientado said...

Mar.

Quanto aos links, não te preocupes com essas coisas, eu por acaso não tinha reparado. Já agora agradeço a atenção.
Quanto às baleias e gestão de baleias, convenhamos que faz alguma confusão se não for devidamente explicado.

As pessoas tem mais medo da gripe das aves do que perder baleias, porque pensam que não lhes acontecerá nada se as baleias desaparecerem. Essa relação de facto não é tão linear assim, há toda uma cadeia de impactos naturais, alguns dos quais imprevisíveis que poderão afectar efectivamente as pessoas, até com maior gravidade do que a gripe das aves.

Bom fim de semana.

 
At 10:24, Blogger a lice said...

É aí mesmo!:)

Um abraço e continuação de um excelente domingo!:)

 
At 10:45, Blogger Desambientado said...

Mcapote.

Creio que toda a gente passou por essa fase de andar a apanhar trevos de quatro folhas por darem sorte. Eu também o fiz e se calhar se procurar nos livros mais antigos ainda encontro lá dentro algum trevo de quatro folhas.
Não vejo mal nenhum em perder algum tempo em sã convívio na natureza, não devemos é dar muita credibilidade a essas crendices...Não acha?

 
At 11:00, Blogger Desambientado said...

Vidal.

São estes valores que procuramos no Mundo rural. São esses momentos mágicos que devem ser passados aos filhos.
Precisamos cada vez mais encontrar tempo para viver e conviver.

Estou quase a dizer: "abaixo a escravatura do trabalho", mesmo quando somos ~´os próprios a escravizar-nos.

Bom fim de semana.

 
At 11:10, Blogger Desambientado said...

Vidal.
Ainda acrescento, precisamos de mães que passem 1 hora de vez em quando com as suas filhas a apanhar trevos de quatro folhas.
Precisamos colocar as pessoas por aí fora a apanhar em conjunto trevos de quatro folhas, não pelos trevos, não pelas folhas, mas pela desculpa que os trevos de quatro folhas lhes dão para estarem juntos a conviver.

 
At 11:16, Blogger Desambientado said...

Eli.

Sem dúvida que o que devemos fazer é aproveitar as ondas. É normal que se olhe para o infinitamente grande (o mar) e nos esqueçamos que somos infinitamente pequenos (as folhas de trevo). Aproveite as duas realidades de Angra que ainda por cima é de Heroísmo.

Bom fim de semana.

 
At 11:33, Blogger Desambientado said...

Maria do Céu.

Acho estranho essa sua observação, porque acreditar, ao meu ver, não é esperar certezas, é deixar sempre aberta uma janela para entrarem dúvidas. Não há fé sem dúvidas. Há pessoas em quem acredita e certamente outras que não, sendo assim, você acredita nas pessoas e deixou a janela aberta para ter dúvidas sobre algumas delas.

Acredita em si, e essa é a parte mais importante da crença, logo acredita em tudo.

Você reconhece dúvidas em tudo, logo acredita em tudo isso.
Pelo menos era assim que eu a via, daí a afirmação de que acredita em tudo.

 
At 11:50, Blogger Cristina Mendonça said...

As imagens estão muito "mimosas"!
É sempre uma alegria encontrar um trevo de 4 folhas e pelo sim e pelo não guardo-o sempre no meio de um livro....

Bom domingo!

 
At 11:56, Blogger Desambientado said...

Drª Daniela Mann.

O Paulo Ribeiro fez um tratado sobre teleologia.

Bom fim de semana.

 
At 11:57, Blogger Cidalia said...

Desambientado

De facto sou MUITO crente neste tipo de coisas.

Quanto a ideia de apanhar trevo de quatro folhas com os meus meninos, obrigada. Vai ficar para o dia da Primavera.

Bom fim de semana para si também.

 
At 12:00, Anonymous Mar said...

Nas fórmulas das folhas do trevo, te desejo muita sorte e uma saudável semana.
Grande gênio ... você!

 
At 12:00, Blogger Desambientado said...

Marakokas.

É um prazer saber que as pessoas saiem daqui agradadas.

Bom fim de semana.

 
At 12:11, Blogger Desambientado said...

Cristina (Lâmina D'Água)

Concordo contigo sobre o conceito de dar sorte. Ter sorte na procura de um trevo de quatro folhas resulta do facto de ter sorte de ter um espaço onde se possa sentar sobre a relva, sem nada que incomode, sem nada que nos pressione, sem stress. Isso é ter sorte. Ter sorte de cheirar a terra, ter sorte de olhar a natureza de perto, ter sorte de estar conjuntamente com alguém à procura de trevos de quatro folhas. Normalmente não se procuram trevos de quatro folhas sozinhos. Procurar trevos de quatro folhas tem sempre um pouco de romantismo, ou então uma carga familiar ou romântica por detrás.
E sonha-se durante essa procura. É verdade, sonha-se e talvez se deseje também. O desejo é muito bom. E se juntassemos o desejo de ver passarinhos verdes com o romantismo verde dos prados, procurar trevos de quatro folhas não seria mais do que tentar encontrar o início de uma equação matemática cuja solução seria inequivocamente a felicidade.
E podem pintar-se quadros de pessoas procurando trevos de quatro folhas. Até se podem pintar qadros de multidões procurando trevos de quatro folhas. És capaz de imaginar?


Conclusão: a sorte tem muitos tons...

100% de acordo com a conclusão.

Beijinhos.

 
At 12:29, Blogger Desambientado said...

Trequita.

A tua vocação para a matemática e para os trocadilhso levou-me a pensar um pouco assim, neste post.

Também se tem sorte em ter qualidade de vida e tempo suficiente para se poder sentar a apanhar trevos de quatro folhas. Creio que é aí que está a sorte. Não daquela que nos trará mais dinheiro ou uma grande paixão. Mas por vezes as grandes paixões podem surgir quando se catam trevos de quatro folhas. Ou não? Todas as cartas de Amor são ridículas, dizia Fernando Pessoa. E todas as apanhas de trevos de quatro folhas por dois enamorados também não será uma actividade ridicula?

 
At 12:41, Blogger Desambientado said...

Jardineira Aprendiz.

De facto também pensava ter visto trevos de cinco folhas. Se calhar não eram oxalis.
O que uma aprendiz de Jardineira nos ensina??? De aprendiz, não tem nada.

Bom fim de semana.

 
At 12:50, Blogger Desambientado said...

Wicca.


Muito obrigado pela simpática visita e pelos simpáticos comentários. Também sou como tu: profissionalmente acredito que quanto mais trabalho mais sorte tenho.

Considera também este um espaço teu.

 
At 13:04, Blogger Desambientado said...

Amigo José António.

É muito gira essa expressão do "complicómetro". De facto ele faz medidas relativas e não absolutas, daí que não possamos comparar nunca a compexidade de uma pessoa com a de outra.

É profunda a afirmação de que "a matéria de que se é constituído é semelhante à do trevo". Física e quimicamente assim é, no entanto há gente que diz existir alma num lado que não existe do outro.
Com alma ou sem alma, voltaremos todos para as estelas.

É verdade que o verde e simpes trevo contém na sua simplicidade
tudo o que há por aí, e nem me atrevo a dizer que seja a verdade.



Muito obrigado pela quadra, também ela muito profunda.

Um abraço.

Félix

 
At 13:08, Blogger Desambientado said...

Simpática e queridérrima Fátima Rosado.

Muito obrigado pela letra da canção.
Gostei mesmo. Ela acaba por levantar a questão dos amores que surgem na cata do trevo de quatro folhas e da sorte que pode sair daí.

 
At 13:14, Blogger Desambientado said...

A lice.

Bem me pareceu. Tão longe.

Bom Domingo e um grande beijinho.

 
At 13:16, Blogger Desambientado said...

Cristina Mendonça.

Cara mamã, não fosses tu adepta da etnobotânica. Já estás habituada ao herbários de trevos de quatro folhas.
Dá uma espreitada ao bloga da Jardineira Aprendiz, vais gostar muito.

 
At 13:19, Blogger Desambientado said...

Cidália

Já agora que plantem uma arvorezita qualquer.

Bom fim de semana.

 
At 13:20, Blogger Desambientado said...

Mar.


Muito obrigado pela consideração.

Beijinhos e excelente semana também para si.

 
At 13:57, Blogger maat said...

... "e no Princípio Deus geometrizou..."

no Meio o Homem tomou conhecimento e contemplou...

E no Fim?


Um bom domingo,

***maat

 
At 15:28, Blogger Desambientado said...

Maat.

E no fim, " a miseravel raça humana" morreu congelada porque não conseguiu proferir nem mais um pensamento, não conseguiu ter nem mais uma única emoção, não conseguiu nunca mais promover qualquer transformação. O fim é a estagnação, é a arrogância de tudo ter compreendido, é o começo de um novo Universo que regride para um novo Big Bang. Do novo ovo cósmico talvez tudo recomece como da primeira e milionésima vez. Talvez seja isso a que chamam reencarnação, mas não do homem, sim do Universo.

 
At 15:29, Blogger Desambientado said...

Maat


Bom Domingo para si também.

 
At 15:44, Blogger Ana Pinheiro said...

Mais uma postagem original...A complexidade da vida, colocada de uma forma simples...
Se eu acredito na sorte de um trevo?
Tenho um que guardo há anos, e por ironia ou não do destino, há anos que se encontra no meu Formulário de Matemática...ehehehe
Eu não sei se sou ou não supersticiosa...Não vivo a minha vida em função disso, mas há alturas em que paro para pensar...Sabes que eu acho que no fundo tem a ver com Crença...com a nossa fé Félix...A mim, sabe-me bem acreditar em algo superior...Chamem-lhe sorte, chamem-lhe superstição, chamem-lhe Deus...chamem-lhe destino...Por outro lado, como diria o amigo Batista...e de uma forma muito sábia...Não compliques isto...A vida é simples...nós o ser humano, (racional), é que a complicamos...E de que maneira...Enquanto li o teu post, e enquanto te comento, lembrei-me do livro Quem mexeu no meu queijo...Aliás já publiquei algo sobre o livro...
Bem, resumindo e concluindo...vivam os trevos...porque são estas pequenas coisas, estas pequenas esperanças que nos fazem ter ainda mais vontade de viver...
Beijo com ternura.

 
At 16:24, Blogger Maria Costa said...

não acredito em tudo, acredito no todo.

bom domingo, beijinhos.

 
At 16:46, Anonymous alexandra said...

De blog em blog, de vez em quando acertamos num que nos diz algo mais... Post MAGNÍFICO! Parabéns!

 
At 18:08, Blogger Desambientado said...

Ana Pinheiro.

O seu trevo do formulário de Matemática, qualquer dia salta cá para fora e grita-lhe dizendo-lhe: Porque não me colocas numa página de um livro que tenha a ver comigo?
Seria impossível! Matemáticamente impossível e físicamente impossível.
Há coisas como estas que é facil pensar, mas impossível de concretizar. Creio que a vida é um pouco isso. Simples , complexa e por vezes impossível. Para as partes mais estranhas do raciócínio, ou seja as impossíveis, existe a fé, que ajuda a suportar o impossível que queremos que seja possível.

Não li quem mexeu no meu queijo. Mas pelo que dizes deve ser interessante. Curioso que ultimamente me têm indicado livros que não li, nem ouvi falar.

Gostei imenso do teu optimismo. Também partilho dele.

Beijinhos.

 
At 18:09, Blogger Desambientado said...

Maria do Céu.

Tem razão, há diferenças entre tudo e todo.

De facto é mais o todo do que o tudo.

Bom Domingo.

 
At 18:10, Blogger Desambientado said...

Alexandra.

Obrigado pelo simpático comentário. Volte sempre que quiser.

Bom Domingo.

 
At 18:53, Anonymous Alexandra said...

Olá Félix,

mais uma vez tenho que te dar os parabéns... não são tds as pessoas que têm coragem de transpor para palavras o teu pensamento que, na minha perspectiva, está correcto. Sei do que falo pq sou Mãe!

Tudo de bom pr ti :)

 
At 18:59, Blogger nana said...

obrigada pela visita e por teres gostado!!
excelentes imagens no teu blog!!
;)

 
At 19:00, Blogger nana said...

guardo ainda uns trevos de 4 folhas que me ofereceram há anos!!
;)
e ainda dão sorte!!

 
At 19:34, Blogger ~*Vica*~ said...

Muito interessante este teu post.

 
At 21:00, Blogger Ana Maria said...

Olá!
Gosto das suas imagens e adoro a sua terra. Continua genuína e bela. Deus queira que não a estraguem. Se me quiser visitar em http://spaces.msn.com/members/arco-iris2005 terei muito gosto.
Um abraço
Ana

 
At 21:01, Anonymous Anónimo said...

Quanta beleza e imaginação! Boa semana. Nicosia a Rapariga das Laranjas

 
At 21:06, Blogger CN said...

o trevo de 4 folhas não existe.

 
At 22:40, Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba said...

Seu Coelho...

Porque estamos sempre combinados??? Ou concordados???
Beijinhos...
ò,ó

 
At 09:41, Blogger Nilson Barcelli said...

Mais um post excelente sobre um assunto tão trivial, mas que tens o condão de o tornar atractivo e interessante, com algum humor à mistura.
Não acredito na sorte do trevo de 4 folhas, mas gostava de encontrar um...
Abraço e boa semana.

 
At 09:53, Blogger Maria Graça da Silveira said...

Ao trevo de 4 folhas acrescenta-lhe uma folha, aguça as extremidades, degrada a clorofia em feofitina (amarela) e tens uma estrela. Sempre me agradou a ideia de que "we are all star dust".

 
At 10:35, Blogger sa.ra said...

Acredito no momento mágico da coincidência... e, se no enredo dos dias, me encontrar com um trevo raro... então chame-se sorte ou outra cosia qualquer! acredito nos encontros entre coisas ou pessoas que nos fazem lembrar a magia única de todos os dias e a sua importância, tantas vezes ainda por descobrir!
este post está uma delícia!
encontrei um trevo aqui! obrigada!
um dia feliz!
beijo

 
At 10:48, Blogger Fala quem sabe BLOG said...

O post está demais!
Infelizmente não sou de encontrar muitos trevos de 4 folhas, mas em relação à sorte, todos os dias vou à luta, e tento criar situações de sorte...

(À parte) o ano passado tive a horta cheia de trevo branco, que depois incorporei no solo, "sidrei", semeei batatas, e colhi batatas biológicas lindas!
Tive Sorte!!!

Um abraço

Helder Xavier

 
At 11:18, Blogger MDeus said...

A grande sorte é acreditar que ela existe... não é o trevo mas sim procurá-lo acreditando.
Excelente post como de costume, um bom dia.

 
At 11:47, Anonymous soslayo said...

Desambientado:

TREVO quadrifoliums

Se a natureza nos dá
Os trevos das folhas em foliuns
Pra uns se torna motivo de sorte
Pra outros nem tanto consorte.

Vamos entender em latim
Tudo o que se possa equacionar
O trifolium em quadrifolium
Tudo passa por bem visualizar.

Do verde do trevo ao campo de pastar
Tudo a vaca vai consumir num ruminar
Me deram um trevo de quatro folhas
A ver vamos o que se vai passar!

 
At 13:22, Blogger Ana Pinheiro said...

desambientado,
Tens razão...Há muito tempo que não uso o formulário...antes andava sempre comigo...Talvez ponha num livro de cabeceira...Engraçado falares em livros que tenham a ver comigo...Um que tem muito, mas muito a ver comigo...Com o qual me identifico muito é o último de Gabriel Garcia Marquez, Memórias das Minhas Putas Tristes...Quando tiver 90 anos...quero sentir-me assim...
Quanto ao meu optimismo...nem sempre fui assim...Tenho vindo a educar-me...
Beijo com carinho.

 
At 14:18, Blogger Paulo said...

Bonito post sem sonbra de duvida.

 
At 14:20, Blogger Paulo said...

Lindo sem sombra de duvida

 
At 17:38, Blogger Lua dos Açores said...

Não sei se é bom ou mau estar uns tempos sem cá vir...por um lado fico mais tempo com um sorriso feliz a enfeitar as negruras do meu dia a dia...por outro poderia ter um sorrisozinho mais maneiro todos os dias.

Gosto de te ler, gosto de ler a maioria dos que te escrevem. Esta-se bem aqui no teu quintal.
Beijo

 
At 17:40, Blogger Águas da Vida said...

Sorte ou azar nao existem, existe na mente humana supertiçoes, o cérebro humano tem forças escondidas no interior de sua caixa que o ser humano desconhece e tudo que ele acredita o subconciente trabalha para que se torne verdade, uma questao de sugestao, nada mais que a força de cada pensamento, a sorte esta para quem ha' desejas, o azar estar para quem o teme e mentalmente falando energisa aquele pensamento no profundo do cerebro.
Excelente post.
Um excelente inicio de semana.
Big Kiss

 
At 18:58, Blogger Cruzeiro said...

Acredito que pela raridade da existencia do trevo de 4 folhas, seja uma verdadeira sorte alguém encontrar um, mas na sorte que ele possa trazer a quem o encontrar confesso que não acredito...
No entanto acredito que se for encontrado por alguém que acredite nas suas capacidades, possa trazer algum bem estar, ainda que apenas psicológico, a essa pessoa.

 
At 19:12, Blogger Janelas da Alma said...

Amigo Desambientado,

Tenha ele três ou quatro folhas, a sorte continua a ser toda minha por ter colegas e amigos como tu!
Em resposta ao que me perguntavas nas Janelas da Alma, estou bem!...Estive ausente, sem ter tido tempo de avisar nem nada, devido a um trabalho de investigação que me caíu nas mãos, sem esperar, e me obrigou a uma semana inteira de trabalho intensivo!
Mas estou de volta, e tenho de recuperar a pedalada com todos vós!...
Vejo que elaboraste mais um trabalho magnífico!...
Já a minha bisavó dizia que os trevos de quatro folhas davam sorte, e não era fácil encontrá-los!...Ainda hoje, se passeio num campo de trevos, lá ando eu à procura de um!...
Abraços e até breve,

Nuno Osvaldo

 
At 20:48, Anonymous marco pozzana said...

Adorei o blog e as imagens respectivas... Voltarei sempre!
[]s

 
At 09:49, Blogger Desambientado said...

Alexandra.

Antes de mais desculpa o atraso na resposta, a ti e a todos os outros, mas ontem foi-me impossível dado que estive em viagem todo o dia.

Não tens que me dar parabéns por assumir as minhas próprias limitações, para mim não o fazer é que é estranho.


Obrigado.

 
At 09:51, Blogger Desambientado said...

Nana.

Obrigado pela visita e comentários. Volta sempre que quiseres.

 
At 09:54, Blogger Desambientado said...

Vica.

Mais uma vez obrigado pela visita e comentário.

 
At 10:06, Blogger Desambientado said...

Arco-Iris.

Já estive no seu espaço, mas não consigo deixar lá comentários sem fazer um registo. Voltarei com um pouco mais de tempo. Gostei.

Obrigado por ter passado aqui. Os Açores continuam bonitos como sempre foram, esperemos que se mantenham assim por muitos e bons séculos.

 
At 10:07, Blogger Desambientado said...

Amiga Rapariga das Laranjas.


Você é muito simpática nos seus comentários. Obrigado.

 
At 10:11, Blogger Desambientado said...

CN

Não percebi a sua observação: trevos de quatro folhas não existem, em termos botânicos ou em termos de serem portadores de sorte?

Obrigado pela visita.

 
At 10:12, Blogger Desambientado said...

Oi Lâminazinha.

Estive ontem fora e só hoje te consegui ler.
Não estamos combinados, mas parece que combinamos bem.

Beijinhos.

 
At 10:16, Blogger Desambientado said...

Nilson.

Obrigado pelo comentário.
Para encontrares um trevo de quatro folhas, tens que te predispor a perder algum tempo, a pensar, exactamente em nada, ou então bem acompanhado, falando de tudo..., quem sabe cozinhando.

 
At 10:18, Blogger Desambientado said...

Maria da Graça Silveira.

Deixaste-me de boca aberta. Lindo.
De facto tu não és só pó das estrelas.

 
At 10:24, Blogger Desambientado said...

Sa.ra.

Todo o seu comentário é profundo e bonito. Acaba por ser o mote para uma discussão sobre o enorme valor das coincidências.
Que existem coincidências todos sabemos e que nos trazem sorte, também é evidente. As coincidências quase sempre são de sorte e bem poucas de azar. Ainda bem que assim é.

 
At 12:12, Blogger Desambientado said...

Olá Helder (Fala Quem sabe).

Sei perfeitamente que és um fazedor de sorte. Também acho que a vida é isso mesmo, que cada um procura a sua sorte. Atrás eu dizia que quanto mais trabalhava, mais sorte tinha, creio que a ti se pode aplicar o mesmo.
Gostei imenso de saber da tua horta biológica. O trevo branco é o Trifolium repens?

Um abraço.

 
At 12:15, Blogger Desambientado said...

MDeus.

No fundo o teu comentário vai um pouco na direcção do da Sa.ra, ou seja, no sentido do que a coincidência é uma questão de sorte, e que essa sorte dependerá da forma como a vemos.
Há gente que chama a essa sorte milagre. Confraternizei uma vez com uma pessoa que via milagres em tudo....era cansativo. Não é nesse sentido que fala de milagre, mas sim no sentido de que as coincidências nos trazem coisas boas.

 
At 12:19, Blogger Desambientado said...

Soslayo.

Há gente com sorte que encontra trevos, e outros que na procura de trevos encontra uma consorte. Ralativamente à ultima parte da Consorte, tanto poderá ser sorte ou azar, porque se só se conheceram na altura em que procuravam trevo, o mais provavel é que haja divórcio uma ou duas semanas depois.....

Um abraço.

 
At 12:21, Blogger Desambientado said...

Fernão.

Muito obrigado pela simpática visita e comentário.
Gosto imenso de o ver por aqui. Tive pena que não pudesse ter estado no EBIT.

 
At 12:23, Blogger Desambientado said...

Lua dos Açores.

Fico grato por me dizer que sai daqui bem disposta, pode crer que é gratificante ouvir isso.
Percebo perfeitamente como é dificil frequentar todos os blogs espectaculares que há por aí. Eu ultimamente queixo-me do mesmo mal.

Um abraço longo para Santa Maria.

 
At 12:25, Blogger Desambientado said...

Aguas da Vida.

Excelente filosofia de vida essa sua. De facto também acredito que construímos a nossa sorte com as nossas crenças.

Boa semana para si também.

 
At 12:29, Blogger Desambientado said...

Cruzeiro.

Ontem não pude votar por várias razões: estive fora da ilha Terceira e não sei o que aconteceu que fiquei sem blog. Hoje vi que tinha recuperado sozinho.

Quanto à sorte de encontrar um trevo de quatro folhas, a probabilidade é reduzida, é de cerca de um em cada mil, ou até mais pequena.
Mas como dizes, se isso faz bem às pessoas (psicológicamente) não será efectivamente uma sorte? Não será a sorte algo relativo e não forçosamente sinónimo de que nos irá sair a sorte grande!?

 
At 12:32, Blogger Desambientado said...

Nuno Osvaldo (Janelas D'alma)

Quando alguém fica sem dar notícias, pensamos logo no pior, está doente, aconteceu-lhe algo de mal, e raramente, pensamos que lhes poderá ter acontecido algo de bom. Da minha parte não deverás assumir qualquer obrigação de resposta, mas podes crer que é gratificante saber que está tudo bem contigo.

Um abraço.

 
At 12:34, Blogger Desambientado said...

Marco.

Obrigado pela visita e volte sempre que lhe apetecer, faça deste, à semelhança dos amigos que andam por aqui, mais um dos seus espaços.

 
At 16:11, Blogger Ruth Iara said...

Querido, não precisas me responder aqui, pois cheguei muito atrasada. Estou que é uma tartaruga. Muitas atividades e a todas estou fazendo com gosto, vontade e muita saúde. Só para dizer-te: quando criança costumava procurar trevos de quatro folha e acho que por isso acredito na sorte que eles trazem. Os trevos que vejo são bem diferentes, com folhas em formato de coração. Acredito em símbolos. E os símbolos que significam para mim são carmicos. É que também creio em leis carmicas de ação e reação. Todas as nossas crenças são cârmicas para mim, mas os cârmas não são necessariamente ruins. Fazem parte da nossa cultura, da nossa vivência. O problema é que achamos normal as nossas crenças e nem sempre a dos outros.

Trevos assim, eu nunca vi...

Um abraço!

 
At 16:31, Blogger Cruzeiro said...

Desambientado,
O importante para mim não são os votos que eu possa ou não ter, o importante para mim é que o blog seja apreciado por quem o visita, e só nesse aspecto os votos podem ser significativos, mas também acredito que nem todas as pessoas que o visitam se dêm ao trabalho de votar, gostem ou não...:)
Até porque ultimamente o meu tempo de dedicação ao blog é muito curto, o que pode fazer com que a qualidade baixe...:)
A sorte é sempre algo relativo, o que para uns pode ser considerado sorte, para outros poderá não o ser.
A sorte não tem que estar obrigatoriamente ligada ao facto de nos sair a sorte grande, ou o euromilhoes...
Para mim sorte é ter uma filha saudavel, é ter o que comer quando tanta gente morre de fome, é ter um tecto para dormir quando há tantos sem abrigo...
Mas como tudo isto são coisas com as quais estamos habituados a viver, não pensamos sequer nelas, nem consideramos uma sorte o facto de as termos.

 
At 08:35, Blogger Desambientado said...

Oi Ruth.

Claro que responde aqui e com muito gosto. Ou melhor, responderia se tivesse sido colocada alguma questão que soubesse responder, assim só terei que comentar a tua posição.
É bonito o que dizes e dá para ver que és uma mulher cheia de espiritualidade, que não é o mesmo que espiritista, mas se o fores, para mim não fará qualquer diferença. Vejo que tentas incorporar os teus valores na questão espiritual, e isso, do meu ponto de vista é algo humanamente interessante. Para mim, a espiritualidade e as crenças quando não levadas ao exagero são importantes no nosso equilíbrio psico-social. Bom, mas isto é uma mera opinião.

Bom trabalho e não te preocupes com atrasos, aqui nunca há atrasos. Até já deves ter visto que ultimamente ando muito lento. Isso também se deve ao trabalho e como tal resta menos tempo para poder compartilhar com os nossos amigos. Não é que não o faça com gosto, é mesmo compromissos.

Beijinhos.

 
At 08:42, Blogger Desambientado said...

Cruzeiro.

Quanto ao comentário das votações, eu acredito que não é por isso que fazes o teu blog, do mesmo modo que não é por isso que eu faço o meu, mas diga-se de passagem que é gratificante sabermos que temos amigos que para além de apreciarem o nosso trabalho ainda se preocupam em valorizá-lo. Acho essa atitude muito bonita, mesmo vinda de pessoas que mal conhecemos. Algum dos meus visitantes inscreveu o meu blog nos destaques da semana da gazeta dos blogueiros, achei esse gesto muito bonito e foi gratificante ter recebido tal destaque. Por isso sou adepto da votação, só por isso.

Quanto à sorte, dou-te toda a razão. Há uns anos atrás, atravessei uma fase muito difícil, que poderemos considerar de muito azar. Decidi ir até Timor Leste, onde do meu ponto de vista as pessoas tinhas mais azar do que eu. Aí, apercebi-me o quanto sortudo era. A sorte e o azar são muito relativos. Se pensarmos bem, todos temos sorte na vida, pelo menos nalgum aspecto. Encontramos gente mais sortuda do que nós, claro que sim, mas até mesmo aqueles que parecem extremamente felizes, também tem os seus azares.

Beijinhos.

 
At 16:42, Blogger Zeca said...

Com que então não sabes desenhar!?
Já te disse que podes fazer um desenho com os números.
Este trevo até estava bem jeitosinho.
És um artista escondido.
Fica bem.

 
At 21:28, Blogger HatA/mãe said...

Ainda voltei para disfrutar do outro anterior...tinha sido um pouco à pressa.
Mas não ha duvida que apetece vir e ficar.
um abraço

 
At 17:08, Blogger Desambientado said...

Zeca.

Então está bem, vou pensar numa função matemática bonita.

 
At 17:13, Blogger Desambientado said...

Noite Estrelada.

É bom saber que a sua Estrela de vez em quando pousa por estes lados.

 
At 21:28, Blogger Cruzeiro said...

Claro que é gratificante ser votada, ser destaque...mas quando o público assim não entende, nada podemos fazer, a não ser tentar melhorar...:)

Beijinhos

 
At 18:40, Blogger Desambientado said...

Cruzeiro.

Votar e ser votado, eis o lema da Democracia. Acredito na Democracia, mas sei que não é perfeita.
Oelo facto de uma coisa não ser votada, não se pode concluir de forma inequívoca que precisa de ser aperfeiçoada....

 
At 15:13, Blogger nana said...

obrigada por citares!!
;)
um chuác!!

 
At 17:55, Blogger Desambientado said...

Nana.
Foi um prazer.

 
At 16:10, Anonymous Anónimo said...

acredito que deie sorete. so hoje encontrei 1 e ontem 24 se alguem kiser obter um mande um emaisl. jupistoleira@hotmail.com

 
At 16:11, Anonymous Anónimo said...

n keria dizer um mas sim 17

 
At 15:09, Anonymous aurea said...

Eu simplesmente adorei tua pagina.
Ela e muito criativa

 
At 17:56, Blogger lidia said...

eu tenho plantação de trevo de quatro folhas e estou a procura do trevo de cinco folhas e acredito muito na sorte que eles trazem.

 
At 15:15, Anonymous Anónimo said...

Boa-tarde a todos
Eu não faço plantação nenhuma de trevos mas não pude pude de deixar tambem comentar este post sobre os trevos...
Eu acredito nos trevos de 4 folhas pois a minha sogra faleceu no dia 13 de Outubro 2006 e uncamente trouxe comigo os vasos com as suas plantas e tenho cuidado muito bem delas porque era para ela o seu tesouro mais precioso que mantinha em vida, é engraçado que entre as sua plantas começaram a nascer trevos de 3 e 4 folhas e hoje andava de volta de um vaso que contém um azevinho que apanhei no mato e deparei-me com imensos trevos de 5 folhas..
Se alguem tiver interesse em ter algum aqui deixo o meu contacto de mail: santos-carreira@hotmail.com

Boa sorte a todos

 

Enviar um comentário

<< Home