Comunidade Portuguesa de Ambientalistas
Ring Owner: Poli Etileno Site: Os Ambientalistas
Anterior Lista Aleatório Junte-se a nós! Próximo

2006-01-17

As minhas incertezas, e a de Heisenberg .

É impossível determinar com exactidão a posição e a energia de um corpo, diz Heisenberg.
É impossível identificar com precisão a origem e as consequências das nossas acções, digo eu.
Heisenberg baseia-se no facto de que a observação de um objecto resulta numa interferência sobre o mesmo, afectando quer a sua posição quer o seu estado energético. Eu baseio-me no facto de que para viver, ter que comer, e por isso, ter que matar ou explorar. Para garantir a vida crio-a a partir da extinção da própria vida ou a partir da sua submissão às minhas necessidades.
Não sei quem é mais paradoxal, se eu, se Heisenberg.
O mundo de Heisenberg, é microfísico,
o meu mundo é macrofísico.
Nem eu, nem ele conseguimos ver a totalidade dos nossos mundos.
Não deveria existir sintonia entre esses dois mundos, já que o primeiro está dentro do segundo?
No mundo microfísico os corpos movem-se por saltos quânticos, no macrofísico, são catapultados por um mecanismo, quase semelhante, onde alguns indivíduos não necessitam de fazer toda a caminhada, a esse mecanismo denomino de “Padrinho”.
No mundo de Heisenberg, a energia que alimentará um corpo, é exactamente igual aquela que ele mais tarde emitirá.
No meu mundo, há que saber suplicar, para receber umas migalhas.
Apesar da incerteza de Heisenberg, é certo que, esteja em que posição estiver um electrão, ou a partícula mais insignificante do átomo, recebendo a mesma quantidade de energia que outra idêntica, passará para igual estádio energético.
A incerteza no meu mundo, resulta do facto de ter observado que os seres mais insignificantes que lá vivem, regra geral, não atingem os mesmos patamares, quando sujeitos, aos mesmos processos.
No mundo microfísico, apesar da incerteza, os electrões que circulam nos grandes átomos, tem as mesmas regalias físicas que aqueles que circulam os pequenos átomos.
No meu mundo, os de África são pretos, os da Ásia Central são fanáticos, os orientados diferentemente são gays, os do interior são saloios, com um conjunto interminável de designações.
Qualquer que seja o mundo, é determinantemente impossível saber tudo, e é determinantemente impossível não fazer nada, mesmo que se esteja parado.
A inacção é uma posição, com consequências incertas.

Este Senhor é o Heisenberg,

E eu, sou o Desambientado, o que faz este blog.

Félix Rodrigues

ALFA E ÓMEGA

era quântica do universo ou do princípio

de heisenberg ou princípio da incerteza

de tudo quanto existe e ainda existirá

antes da luz das galáxias mais distantes

vaga radiação como um bater de asas

de quando o universo era louca agitação

antes do céu e terra tomarem forma

um enorme ovo cósmico dentro do qual

era o caos como no oratório de mozarte terra e céu estavam unidos

por uma alegria que não pesava nada

unidos pelo vazio para o cântico nupcial

a matéria era completamente desintegrada

e eu estava sentada no espaço invisível

não havia nada não existia o Nada

como alexandra kraft estava velada intemporalmente

e a realização eterna não tinha coordenadas

nem tempo nem espaço

tudo era escuro no cosmos uma noite profunda

antes da grande explosão

e os electrões não deixavam passar esta luz

e a luz era então a memória imprecisa da vida

e todas as coisas existiam em profunda Unidade

então numa caminhada vazia electrões e protões

uniram-se como num drama cósmico

pela via do verbo materia prima philosophorum

e o espaço opaco abriu-se em transparência

e luz e a luz apoderou-se dos interstícios

um límpido Som celebrou esta união cósmica

e todo o verbo saiu desta explosão

foi o primeiro êxtase da Criação as primeiras estrelas começaram a brilhar nas galáxias

depois do mundo ser invisível

depois de protões e electrões dançarem e formarem núcleos

como eternos amantes tornados visíveis

e o universo a uma temperatura de biliões de biliões

de biliões de milhões de graus a milionésimas de milionésimas de mícrons de segundo depois do princípio

depois de não ter havido galáxias nem estrelas

senão matéria e radiação

num sopro termonuclear mergulhado na volúpia dos átomos

num mágico círculo de fogo e de ritmo

no jogo das sete potências num jogo do Todo vivo

na Perfeição

era a imensidade celeste

as sementes dos átomos estavam espalhadas

e todo o Universo permanecia e permanece em expansão

e se a expansão aumentar aumentará a distância entre elas

e ao fim de toda a evolução as estrelas parecerão anãs

e os planetas terão cada vez mais espaço

tudo é processo

e o universo inteiro tenderá para um único acorde universal

um super organismo Total

ficará então na memória do big bang a recapitulação de todos os seres de todos os astros de todos os cálculos

para o aperfeiçoamento do Universo

e de novo recolherás à concentração

isto é à expansão ao invés e eu como alexandra kraft recolherei aos poemas científicos de heisenberg ao princípio universal do alfa e do ómega

decompondo-me em partículas e núcleos atómicos

em total comunhão cósmica em total desintegração

eu como alexandra kraft ficarei de novo no depósito do Ser Impessoal

(Poema de Alexandra Kraft,heterónimo de Maat, nascida a 2025. Publicou " Concerto para o fim do Futuro" - gentilmente oferecido por Maat)

Que semelhanças existem entre o teu mundo e o mundo microfísico?

Outras formas de ver o Princípio da incerteza de Heisenberg:

O Princípio da Incerteza - Macroscopio.

Histórias do Metro - O erro de Heisenberg.

O que Heisenberg disse - Caos Criativo

55 Comments:

At 15:03, Blogger Jorge Moreira said...

Há sempre uma analogia entre o Micro e o Macro. Este é o grande axioma “assim em cima como em baixo”. Mas como diz, não conseguimos ver o todo, tanto na incerteza de Heisenberg, como na nossa. Só temos fracções da “verdade”, porque só costumamos utilizar um mecanismo que se chama de mental racional.
Não é preciso matar para viver. Um ovo-lacto-vegetariano, não precisa de matar para viver…
Gostei desta reflexão,
Grande Abraço,

 
At 16:07, Blogger Gary Freedman said...

Yes, sex sells. That's one reason for Freud's popularity. Freud also promised a Utopian vision. If one did psychoanalysis, one was supposedly given access to a Nirvana that was inaccessible to the uninitiated. Now medications have taken the place of psychoanalysis to a great extent.

 
At 16:18, Blogger frosado said...

Tudo está ligado, tudo está relacionado e sempres esteve, nada é por acaso. Mas queria dizer aqui uma outra coisa: no meu mundo, os de África não são pretos, os da Ásia Central não são fanáticos, os diferentes não são gays, os do interior não são saloios,isso são etiquetas do mundo onde eu vivo - no meu mundo, no "meuzinho" são apenas pessoas. Cada vez o mundo é mais homogénio e policromático e, as outras coisas também, como se tem visto! E isso tb não é por acaso...

 
At 16:41, Blogger Desambientado said...

Jorge.

Antes de mais obrigado pela visita.

Não discordo em nada das suas observações, excepto, da parte final.É efectivamente necssário matar para viver. Não me refiro apenas a matar-retirar a vida aos animais para comer. Mesmo vegetais, temos que os matar para comer. Mesmo os vegetarianos matam. Não distingui, na minha observação a vida animal da vegetal, nem a categorizei de inferior ou superior. A observação foi intencional e tinha um caracter provocatório.

 
At 16:47, Blogger Desambientado said...

Gary.

The way as we look to the reality, made us to find different tools to interpret her.

 
At 16:54, Blogger Desambientado said...

Frosado.

O meu Mundo também é policromático, também é plural em pensamento e escolhas. Nunca tive necessidade de segregar ninguém, até porque aplico a máxima: "Não faças aos outros aquilo que não queres que te façam a ti" e porque acredito que o racismo, a xenofobia, e todas as outras fobias de caracter relacional, aparecem porque as pessoas se sentem irracionalmente ameaçadas.

 
At 17:31, Blogger Cristina Mendonça said...

Mundo meu, mundo meu...
Que rica vida essa do mundo microfísico. Perante tanta ostracização no macromundo, na próxima vida optarei preferencialmente pelo mundo microfísico. É que "quem não vê não peca".

Parabéns! O seu blog é como as festas mais badaladas: sempre ritmado e cheio de boa disposição.A casa está sempre cheia!Uau!

 
At 17:34, Blogger palavrinhas said...

"É impossível identificar com precisão a origem e as consequências das nossas acções, digo eu."

Belíssima teoria que não acrece de método experimental nem de formulação de hipóteses. Está naturalmente comprovada. Por ti. Por mim. E por quem vive espontâneamente a vida e (ainda) acredita no cosmos...

Um beijo apalavrado...

 
At 17:47, Blogger frosado said...

Não duvido, também penso isso de ti, até porque te acho (se me é permitido, apesar de não te conhecer)inteligente e muito culto!O racismo e outras xenofobias, só podem estar ligados à burrice e à medicocridade. Os teus posts, pelo menos desde que comecei a ser que tenho lido, primam pela qualidade e por grandes e nobres causas. Bem, pronto, está dito e não preciso de agradecimentos, porque é verdade!eh!eh!eh!

 
At 18:07, Blogger Jorge Moreira said...

Olá Obrigado pela resposta.
Não quero entrar em polémicas.
No entanto o ovo-lacto-vegetariano, não necessita de matar para viver, porque pode procurar produtos vegetais, como frutas (não precisas matar a árvore), tubérculos (geralmente a planta já morreu antes da apanha), legumes (retirar um folha de couve ou alface não mata a planta e de outra forma a folha acaba por se estragar se não a apanharmos) Leguminosas (tal como os frutos) cereais (tal como os tubérculos), etc. No que diz respeito aos outros produtos, o leite e os ovos, não implica matança.
Além disso tudo, e porque essa questão também me afecta muito, a vida de um animal na cadeia evolutiva e na questão do sofrimento é muito mais complexa que o vegetal possivelmente cortado com vida para comer. No entanto, este último caso, deve ser sempre muito ponderado.
Obrigado pela troca de ideias, pela visita e palavras simpáticas no meu Blog.
Grande Abraço, para ti e essa Terra maravilhosa,

 
At 18:49, Blogger Fátima Silva said...

Gostei muito deste post, bem como dos comentários, aprende-se muito neste blog.
Por esta vez limito-me a estar, com a certeza de que o meu interior e exterior encontra cada vez maior coerência.

 
At 19:02, Blogger Desambientado said...

Cristina.

Não poderás nunca optar, na próxima encarnação, pelo micromundo. O teu macromundo actual é composto por uma quase infinidade de sistemas microfísicos, logo o macromundo é a face visível do teu micromundo.
Que eu saiba os electrões, protões e neutrões, e outras partículas que tais, ainda não tem vida.

 
At 19:11, Blogger Desambientado said...

Palavrinhas.

De facto, não me passou pela cabeça validar a teoria. Obrigado por sugerires essa validação.

 
At 19:22, Blogger Desambientado said...

Frosado.

Se bem que digas que não terei nada para agradecer. Agradeço, talvez por ser casmurro.
Também te tenho em muito boa consideração apesar de não nos conhecermos, senão virtualmente. Parece que já te conhecço à muito tempo.

 
At 20:12, Blogger Desambientado said...

Jorge.
Muito teremos que evoluir até chegarmos ao teu conceito de Parmocultura ou cultura permanente de plantas.
Reconheço que o "sofrimento" de um vegetal é algo que ainda não entendo, mas sou capaz de entender o de um animal. Também te reconheço razão quando dizes que numa alimentação à base de leite, ovos e vegetais, não implica matança. Apenas existe "exploração", que também poderá ter contornos éticos.
Entenda-se que aqui estou a levar as coisas aos limites do racionalmente aceitavel... Filosofia, nua e crua.

 
At 20:13, Blogger Desambientado said...

Fátima.

Venha e esteja. É sempre bom sabermos que há gente amiga que nos espreita.

 
At 20:21, Blogger Desambientado said...

Jorge

Alterei um pouco o post, no que respeita ao paradoxo da vida, reconheço-lhe razão. Já agora qual é a sua crítica face ao que foi alterado?

 
At 21:02, Blogger FSilva said...

Este blog é um local de informação, ideias, reflexões, ilações...muito rico.
O Micro, o natural, tem o seu equilibrio perfeito,com renovação, harmonia, estabilidade...
O Macro, o humano, tem um equilibrio intável, tem fome, tem guerra tem destruição, tem contaminação, tem morte...

 
At 21:12, Blogger Desambientado said...

fsilva.

A qualidade dos visitantes que por aqui passam, obrigam-me a esforçar-me cada vez mais...

Bonitas observações.

 
At 21:18, Blogger Ana Isabel Godinho said...

Dr. Félix:
Este assunto não é o meu forte, mas passei por cá, li e achei muito interessante. O princípio da incerteza.... fisicamente permite uma enorme possibilidades de resultados.... mas será que a consciência, neste campo poderá ter voto na matéria? Pode o micromundo decidir qual das possibilidades disponíveis no macromundo é a mais adequada?
Confesso que cada vez mais, emocionalmente falando, me apetece dedicar ao meu micromundo e desligar do macromundo, mas racionalmente um não pode viver sem o outro!(desabafos)

Ana Isabel

 
At 21:48, Blogger maat said...

deixo a minha contribuição, muito obrigada.Foi brilhante.

ALFA E ÓMEGA

era quântica do universo ou do princípio
de heisenberg ou princípio da incerteza
de tudo quanto existe e ainda existirá
antes da luz das galáxias mais distantes
vaga radiação como um bater de asas
de quando o universo era louca agitação
antes do céu e terra tomarem forma
um enorme ovo cósmico dentro do qual
era o caos como no oratório de mozart
e terra e céu estavam unidos
por uma alegria que não pesava nada
unidos pelo vazio para o cântico nupcial

a matéria era completamente desintegrada

e eu estava sentada no espaço invisível
não havia nada não existia o Nada
como alexandra kraft estava velada intemporalmente
e a realização eterna não tinha coordenadas
nem tempo nem espaço
tudo era escuro no cosmos uma noite profunda
antes da grande explosão
e os electrões não deixavam passar esta luz
e a luz era então a memória imprecisa da vida
e todas as coisas existiam em profunda Unidade
então numa caminhada vazia electrões e protões
uniram-se como num drama cósmico
pela via do verbo materia prima philosophorum
e o espaço opaco abriu-se em transparência
e luz e a luz apoderou-se dos interstícios
um límpido Som celebrou esta união cósmica
e todo o verbo saiu desta explosão
foi o primeiro êxtase da Criação as primeiras estrelas começaram a brilhar nas galáxias
depois do mundo ser invisível
depois de protões e electrões dançarem e formarem núcleos
como eternos amantes tornados visíveis
e o universo a uma temperatura de biliões de biliões
de biliões de milhões de graus a milionésimas de milionésimas de mícrons de segundo depois do princípio
depois de não ter havido galáxias nem estrelas
senão matéria e radiação
num sopro termonuclear mergulhado na volúpia dos átomos
num mágico círculo de fogo e de ritmo
no jogo das sete potências num jogo do Todo vivo
na Perfeição

era a imensidade celeste

as sementes dos átomos estavam espalhadas
e todo o Universo permanecia e permanece em expansão
e se a expansão aumentar aumentará a distância entre elas
e ao fim de toda a evolução as estrelas parecerão anãs
e os planetas terão cada vez mais espaço
tudo é processo
e o universo inteiro tenderá para um único acorde universal
um super organismo Total
ficará então na memória do big bang a recapitulação
de todos os seres de todos os astros de todos os cálculos
para o aperfeiçoamento do Universo
e de novo recolherás à concentração
isto é à expansão ao invés e eu como alexandra kraft
recolherei aos poemas científicos de heisenberg
ao princípio universal do alfa e do ómega
decompondo-me em partículas e núcleos atómicos
em total comunhão cósmica em total desintegração
eu como alexandra kraft ficarei
de novo no depósito do Ser Impessoal

(poema de Alexandra Kraft,heterónimo de Maat, nascida a 2025.
Publicou " Concerto para o fim do Futuro)

***maat

 
At 21:48, Blogger Bitta said...

Infelizmente as semelhanças não são muitas...

O mundo microfisico, apesar das incerteezas, oferece mais justiça, contudo parece-me sistematizado, demasiado ordenado... sem espaço para a novidade, para a surpreza, para a descoberta...

Apesar do nosso mundo macrofisico ser injusto e demasiado intolerante, cada dia que nasce é uma incógnita... há espaço para a esperança e para os sonhos!

Cada mundo tem o seu preço!
Qual escolherias sabendo quanto vale cada um?

 
At 21:56, Blogger Bitta said...

PS - Gostei muito da sua reflexão... fez-me pensar muito!!!
Aliás, este blog tem essa característica... portanto, é um forte contribuito para a "acção"... já que "a inacção é uma posição com consequências incertas"!!!

 
At 22:08, Blogger Jorge Moreira said...

Olá,
Ok!
Se tiveres um local em que tu possas cultivar agricultura biológica, com o cuidado de dares às plantas a "felicidade" da tua atenção (não exploração) e no seu termino de vida, elas te darão o seu fruto. Ou as árvores, oferecerem-te as flores que amadureceram, a vida torna-se ceratamente mais justa e perfeitas. Mais Vida. Mais harmonia, sem matança, sofrimento e exploração.
Há quem faça isso.
Grande Abraço,

 
At 22:23, Anonymous Pedro Emanuel said...

Félix, obrigado pela sua mensagem epela sua visita. Um abraço

 
At 22:31, Blogger TF said...

Neste blog as coisas acontecem a uma velocidade que diria bem próxima da da luz. Desde o princípio da tarde (acho que dei uma olhada de manhã) um novo post e já vinte e muitos comentários.
Com esta produção decidi voltar ao ínicio e pegar numa das frases que retive do post:
"A incerteza no meu mundo, resulta do facto de ter observado que os seres mais insignificantes que lá vivem, regra geral, não atingem os mesmos patamares, quando sujeitos, aos mesmos processos". Penso que aqui reside um problema de condições iniciais que têm de ser questionadas e que são da maior importância na análise destes processos.
Foi só uma tentativa de contributo, mas talvez quebre o fio da discussão...

 
At 23:43, Anonymous Zeak said...

Um pedido teu é uma ordem, meu amigo.
Um abraço

 
At 09:20, Blogger Desambientado said...

Ana Isabel.

Claro que também este assunto,é um assunto que pode dar opinião. Não é incompreensível e pode perfeitamente fazer paralelismo. Neste comentário acabou por fazer isso mesmo.

Pretendo que aqui ninguém se sinta posto de fora. Quando a temática parecer demasiado complexa, só quer dizer uma coisa....ficou mal escrito.

 
At 09:23, Blogger Desambientado said...

Maat.

Excelente. Já alguém me tinha falado desse seu poema. Não sabia que era seu, mas não me espantou absolutamente nada.

Fico-lhe muito agradecido pela partilha.
Posso editá-lo no post?
Vou partir do princípio que sim...
É um poema extremamente denso, extremamente profundo e muito bem conseguido. Parabéns.

 
At 09:28, Blogger Desambientado said...

Bitta.

Um mundo previsível, um mundo ordenado, um mundo sem inovação, é um mundo muito desinteressante. Mas um mundo onde nada se prevê, onde nada é justo, não tem deixa ninguém apaixonado... Sem paixão, pouca razão há para viver.

 
At 11:02, Blogger Desambientado said...

Jorge.

É verdade. Lugares para a agricultura biológica, há muitos. Não há é muita vontade.

Outra coisa, a cultura permanente chama-se Permacultura em vez de Parmacultura. Foi um erro.

 
At 11:03, Blogger Desambientado said...

Pedro.

Bem vindo.

 
At 11:08, Blogger Desambientado said...

Teresa.

É bom sinal, esta vivacidade do meu blog. Penso eu, mas não tenho a certeza.
Tento receber da melhor forma possível toda e qualquer pessoa que aqui vem. A qualidade da discussão também é importante para que as pessoas aqui voltem. Essa parte, não depende de mim, mas sim da qualidade de quem por aqui passeia.

Quanto às condições inciais que defendes, essas são até certo ponto aleatórias, dependem do nascimento. Nem todos tem a sorte de nascer num berço de ouro....

 
At 11:10, Blogger maat said...

claro que pode.sempre.
obrigada,


***maat

 
At 11:10, Blogger Desambientado said...

Zeak.

Não me digas uma coisa dessas. Acredito que não sejas influenciável. Olha que posso tornar-me déspota.

 
At 11:11, Blogger Desambientado said...

Maat.

Sou eu que agradeço.

 
At 13:46, Blogger TF said...

Sim, não tenho dúvida que esta vivacidade é um bom sinal.

 
At 14:03, Blogger Desambientado said...

Teresa.

E quanto ao berço de ouro?

 
At 15:08, Blogger Ruth Iara said...

Oi, Felix!

Hoje estive como observadora admirada desta cosmovisão. Creio que fecha com pensamentos de Estética que eu reli ontem antes de pegar no sono.

Um abraço!

 
At 15:21, Blogger Desambientado said...

Olá Ruth.

A Física clássica assusta um pouco as pessoas, mas a física quântica, ainda mais.
Tentei puxar a questão da incerteza para as questões do racismo e intolerancia. Aqui todos nós temos posições muito fortes.

Um beijinho.

Félix

 
At 15:43, Blogger Flor said...

tanto teu post e o dialogo que li aqui nos comentários mostra a certeza de que é um assunto optimo para uma " mesa redonda"
Adoro teu blog , aprendo imenso, mesmo se por vezes o tempo que disponho para estes passeios virtuais seja escasso pois só o faço no meu horário de trabalho...eu sei eu sei...
Mas não dispenso vir aqui mesmo sabendo que os teus post são ENORMES ...
:-)
beijo doce

 
At 15:46, Blogger Gary Freedman said...

Felix,

"The way as we look to the reality, made us to find different tools to interpret her."

Question: Are you talking about you and I in particular or people in general?

 
At 15:57, Blogger Desambientado said...

Flor.

Os meus posts,tornam-se enormes, porque as pessoas que por aqui passam são muito exigentes.....


Estou a brincar consigo...
O tempo, também é coisa que me começa a escassear.

 
At 15:59, Blogger Desambientado said...

Gary.

I was talking, abou you and I, but probably we can generalize.

 
At 16:27, Blogger Bitta said...

Desambientado... por isso, eu afirmei que "cada mundo tem o seu preço!" de depois perguntei:

Qual escolherias sabendo quanto vale cada um?

 
At 16:34, Blogger Desambientado said...

Bitta.

Não escolheria nenhum dos dois.
Normalmente temos tendência para colocar as coisas entre dois extremas, sem espaço para encontrar uma solução que seja o melhor dos dois mundos.
Estamos a ir por aí, em termos políticos: Ou somos de um partido ou de outro, damos pouco ou nenhum espaço aos outros.
Somos amigos ou inimigos, dificilmente nos posicionamos a meio.

Poderemos construir mundos com o melhor que encontramos em cada um daqueles por onde passamos.

 
At 18:49, Blogger Bitta said...

Há alguns dias atrás comentei um post designado "entre" do blog "As pequenas (grandes) Coisas" da seguinte forma:

"Entre... para mim é o que está no meio... e no meio é que está a Virtude!

A Virtude de saber encontrar um equilibrio entre o bem e o mal, entre o feio e o bonito, a felicidade e a tristeza... viver nos extremos, por tempo prolongado, é muito difícil!!!"

Por isso, acho que estamos de comum acordo quanto à minha pergunta!!!

Se cada um de nós construísse um micromundo feito das coisas boas de ambas os mundos expostos no teu texto... estou certa que inventaríamos um MUNDO MELHOR!!!

 
At 19:09, Blogger Desambientado said...

Bitta.

Não podemos efectivamente estar mais de acordo.
A escolha do melhor de dois mundos não é fácil, mas também não é difícil.
Pensa-se por vezes que não tomar posição pelos extremos que é falta de personalidade, eu penso que é ser ponderado...

 
At 22:58, Anonymous Fatima Silva said...

O poema de Maat fez-me ficar com a respiração por um fio. É simplesmente maravilhoso, engenhoso... cheio de suspense e energia.
Um poema que cala fundo e nos faz sentir tão pequeninos, perante a magnificiência do Universo.
Parabéns à autora e espero que ela não se importe, mas vou copiá-lo para levar a uns meninos inquietos do Raminho que andam curiosos sobre o tema.

 
At 23:11, Blogger Desambientado said...

Fátima.

Também tive essa impressão, de ser um poema que nos deixa sem ar, como se o objectivo fosse demonstrar-nos o grande esforço que foi e é a criação do Universo, como se o objectivo fosse cansar-nos da ignorância de nada percebermos, de uma criação saída do nada, caminhando pelo nada e daí atingir a imensidade celeste.

Essa interpretação tabém poderá ser uma pergunta destinada à Maat.

 
At 11:17, Blogger melena said...

No meu mundo tento viver segundo esta ideia: "Seja a mundança que deseja ver no mundo" de Madre Teresa de Calcuta.

 
At 12:34, Blogger Desambientado said...

Emanuel.

É um excelente modelo, é uma excelente perspectiva.

Um abraço.

 
At 01:02, Blogger RPM said...

Caro Felix,
agradeço o link e tb apreciei as belas imagens e referências a Heinseberg e Einsten que tenho escrito algumas coisas - que me interessa enquanto aplicação à teoria política que, como sabe, é um caos, uma anarquia pegada. Provavelmente, ainda trocaremos impressões sobre energias de que percebo pouco m q certamente me poderá elucidar. Designadamente, rel/ às vantagens da refinaria de Sines, ao nuclear em Portugal, etc. Que acha? Vcê n tem mail disponível no blog...

 
At 14:49, Blogger Desambientado said...

Rui.

Obrigado pela visita.
De facto não tenho email disponível, porque há por aí cada maluco que passa a vida a importunar...
Terei muito gosto em ajudá-lo caso saiba responder às suas questões. Enviar-lhe-ei o meu email para o seu email.

Cumprimentos.

Félix

 
At 14:56, Blogger Desambientado said...

Rui.

Pensei que tinha email no seu blog, afinal não tem. Aqui vai o meu: felix@mail.angra.uac.pt
Espero que não apareça alguém a importunar.

 

Enviar um comentário

<< Home