Comunidade Portuguesa de Ambientalistas
Ring Owner: Poli Etileno Site: Os Ambientalistas
Anterior Lista Aleatório Junte-se a nós! Próximo

2006-01-09

As Irmãs, São só de Francisco?

-Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, Pi Pi, Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii.
O João como sempre pontual, e eu, como sempre atrasado.
Lavei os dentes à pressa, apanhei a pasta com os papeis e desci as escadas a correr para não o fazer esperar mais.
-Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, Pi Pi, Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, buzinava o meu condutor e amigo insistentemente.
Lá estava ela, no mesmo local onde a vira no dia anterior, na mesma reentrança da porta do sapateiro, como que esperando por mim. Não precisava falar, ou dizer fosse o que fosse, para perceber o atrevimento daquele olhar. Era quase certo que ela sabia que aqueles olhos me provocavam calafrios na “espinha”.
-Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, Pi Pi, Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii.
-Agora João, terás que esperar, porque nenhum dos teus Pi Pis, me fará desviar o olhar, ou até mesmo mover. Pensava eu a muito custo.
Ela tinha esse dom de me paralisar. Como é possível que conseguisse, inclusivamente, alterar-me os batimentos cardíacos e o ritmo respiratório?
Aquela espécie de magnetismo animal que parecia emanar, mantinha-me estático, debilitava-me, e por vezes, fazia-me corar de vergonha.
Não sei se esse meu comportamento é biofísico, emocional ou patológico!?
Vejo o João olhar-me pelo retrovisor. Está atónito. O que quer dizer, que não consegui disfarçar.
Ela faz-me esquecer que tenho que começar a trabalhar às 8:30, e inclusivamente, do local onde estou, catapulta-me para um espaço que provavelmente só haverá no imaginário de cada um.
Aquela ratazana era de facto poderosa.
Ouvi a voz do João quando me agarrou por um braço, quebrando o feitiço.
-Então! Que se passa?
Corri para o carro, abri a porta e sentei-me rapidamente. Comecei muito lentamente a recuperar o bioritmo, se é que o temos.
Penso muitas vezes que se não existe, deveria existir um processo qualquer que extreminasse por completo, e definitivamente, todas as ratazanas da face da terra.
Pergunto-me também muitas vezes se todos os animais que se encontram neste planeta terão alguma missão especial? Alguns até consigo imaginar, mas outros, como o caso das ratazanas, ......... nem por isso.
Que falta fazem as ratazanas no ecossistema terrestre?
Os gatos que comiam ratos, dependiam deles, mas hoje em dia, somos perfeitamente capazes de os alimentar, e como tal, não precisam de ratos. Que magníficos animais são os felinos!
Nas cidades já não existem águias capazes de caçar e estraçalhar ratazanas, logo as ratazanas não fazem falta nenhuma. Que magníficos animais são as águias!
As ratazanas destroiem tudo o que construímos e produzimos.
As ratazanas frequentam sítios imundos e são veículo de propagação de doenças entre humanos.
Será que servem mesmo para alguma coisa?
Por vezes dou por mim a pensar em sentido contrário e pergunto-me se a ratazana com quem me acabei de cruzar, não terá ficado tão paralisada quanto eu, pelo meu magnetismo animal?
Se sim, não quereria essa ratazana exterminar toda a espécie humana?
Que falta faz ao ecossistema terrestre, o ser humano? Se esse não existisse, certamente não teriam que viver escondidas nos esgotos mal cheirosos que este cria. Certamente não estariam contaminadas, infectando toda a sua raça. Não há predadores que o cacem. Ocupam todo o espaço que lhes aparece pela frente, deixando muito pouco para todos os outros animais.
Pondo-me na pele de uma ratazana, reconheço que esta poderá ter tantas razões como eu, para exterminar por completo a nossa espécie.
Decidi adoptar a seguinte regra na minha relação com as ratazanas:
Se me sentir ameaçado físicamente, ataco com todas as armas que tiver ao meu alcance, se não, sorrio.
O sorriso resulta de uma tentativa de ser coerente comigo mesmo: passo a explicar. Quando me encontro com uma pessoa insuportável, pergunto-me se também ela terá uma missão a cumprir!? Não quero saber qual é a missão, porque até nem sei qual é a minha, quanto mais saber qual será a dos outros. Acho que a melhor resposta a dar a um insuportável, é um sorriso.
Todos os dias vou fazer um esforço para sorrir às ratazanas, como se fosse um São Francisco do século XXI. Sei que recentemente a Revista Times elegeu São Francisco de Assis como o Homem do Milénio. Resgatar esse exemplo não será mau de todo.
-Vai em paz irmã ratazana, cumpre a tua missão, seja ela qual for. Moralmente respeito-te, porque respeito a vida... Pode ser que a ratazana também me dê um sorriso.
Encontro tantos argumentos para deixar viver a irmã ratazana, o melhor deles quanto a mim, é pensar que estou a aplicar o Príncipio da Precaução, tantas vezes reclamado na defesa das questões ambientais.
Félix Rodrigues
Que ser vivo exterminaria? Porquê? Tem algum príncipo de precaução nesse caso?
Links interessantes:
Bichos mais odiados
Ratos e ratazanas- 5 votos.
Homem - 1 voto.
Cobras - 1 voto.
Aranhas - 1 voto.
Baratas - 1 voto.

49 Comments:

At 11:26, Anonymous Zeak said...

Obrigado pela visita, mas não sei se viste que já lá está um post teu, (Na Cama da Ossono, mais conhecida pela Camada de Ozono).

 
At 11:31, Blogger melena said...

Só para dizer que achei brilhante.

As nossas cidades seriam mais humanas se o sorriso fosse a nota dominante do trato social.

Não esquecendo que o melhor remédio para as doenças é o rir desalmadamente.

 
At 11:38, Blogger Ruth Iara said...

Você é escritor e o texto é bem provocante. Contém questionamentos essenciais que precisamos ter e, não adianta mesmo despejarmos verdades todas prontas para as pessoas deglutirem. Isso a mídia toda já faz a todo momento.

Nos tiramos a função de muitos destes pequenos animais que são base de cadeia alimentar. Demos a eles uma vida imunda e infecto contagiosa e agora utilitaristas que fomos mais do que pragmáticos, nos perguntamos por que não exterminá-los. E isso se extende a toda criação, inclusive vírus e bactérias onde o processo de revisão é difissílimo.

Bj!

 
At 11:46, Blogger Nuno Barata said...

Ela irá desconcertadamente seguir o seu caminho e também ela aprenderá a sorrir para as outras ratazanas. E assim se faz um planeta de sorrisos.

 
At 12:14, Blogger Desambientado said...

Olá Zeak.

Sim, percebi que tinha lá o "Na cama da Ossono" e agradeço a gentileza. Estava lindo, tal como a nossas poesia comunitária, creio que agora sim, concluída.

 
At 12:24, Blogger Desambientado said...

Emanuel.
Obrigado pelo elogio.

Além de rir desalmadamente, deveremos aprender a rir-nos de nós mesmos. Não concorda?

 
At 12:25, Blogger frosado said...

Vocês vão me desculpar, mas rato, para mim, só este do computador...

 
At 12:27, Blogger Desambientado said...

Amiga e longinqua Ruth.

Obrigado pelo epiteto, mas efectivamente não sou escritor.

Conseguiste apanhar toda a mensagem que pretendia passar. Muito obrigado pela tua presença constante neste espaço, é sempre muito gratificante,saber o que pensas.

Um beijinho.

 
At 12:44, Blogger Desambientado said...

Nuno.

Muito obrigado pela tua visita. Podes crer que é uma honra e serás sempre bem vindo a este espaço.

 
At 12:45, Blogger Desambientado said...

Frosado.

Diga-se de passagem, que em casa, também só os de computador.

 
At 15:05, Anonymous hugo said...

Relativamente às tuas questões...
1) Que animal extreminaria?
O Homem...definitivamente. É o superpredador que prejudica mais espécies.

2)o que é que o tsunami do Indico tem a ver com alterações climáticas globais?
Directamente não tem a ver, mas relacionei com o facto de, sendo um fenomeno ambiental, ter contribuido para o numero assustador de "Refugiados do ambiente". Abraço

 
At 15:09, Blogger Ana Isabel Godinho said...

Este post está o máximo...começa ao estilo Agatha Christie e termina evocando as teorias franciscanas.....
Fala do principio da precaução...eu acho que concordo mais com o principio da responsabilidade e com a capcidade para agir em função do mais frágil de acordo com Hans Jonas!
O Sorriso da ratazana: Os cientistas, que tanto gostam de fazer estudos laboratoriais em animais, descobriram também que eles têm: ossos, músculos, nervos, cérebro, hormonas, que os animais também sentem dor e, tal como o Homem, têm sentimentos! Quem sabe se sorriem? De qualquer outra forma, diferente da nossa, não perceptível ao ser humano? eles entendem-se tão bem por sinais .... porque não sorrirem também, uns para os outros?
Será que o Homem, acostumado a afirmar que os animais não pensam nem têm sentimentos, resolveu também destitui-los também do sorriso?

Ana Isabel

 
At 15:12, Blogger melena said...

Não tem de agradecer o elogio.
Como disse um meu ex-colega de trabalho "o que é devido não se agradece".

Sim, a capacidade de rir de nós mesmos só a tem quem é seguro de si mesmo. E isso leva tempo a aprender (às vezes demasiado).

 
At 15:54, Blogger TF said...

O texto está fabuloso! Ainda este fim de semana me confrontei com as consequências das acções de ratazanas ou de alguém da sua família. Roeram uns sacos de figos secos que existiam num armazém lá de casa, à espera de serem vendidos. Não tiveram mau gosto! os figos secos são um alimento doce, sucolento e muito energético. Há quem os use no Natal e comem-se muito bem com nozes ou amêndoas.
Pensei que durante a operação de retirada dos sacos ia ter um agradável encontro com aquela família mas não, isso não aconteceu. Onde diabo se terão metido?
Se calhar já estavam enjoados e decidiram mudar de casa e de alimentação. Não devem ter ido para longe. Um dia destes vou encontrá-los!

 
At 16:21, Blogger Desambientado said...

Hugo.

Não sei se deveremos ser suicidas. Temos tantos direitos como as ratazanas. Na pior das hipóteses deveriamos esperar que os animais se comportassem connosco, como nos comportamos com eles, e se nos baseassemos exclusivamente no princípio moral de "olho por olho, dente por dente".

Quanto aos refugiados ambientais, percebo perfeitamente a pertinência do comentário.

Um abraço.

 
At 16:24, Blogger Desambientado said...

Ana Isabel.

Ainda não consegui encontrar nada do Hans Jonas, por isso,nem concordo nem deixo de concordar, mas garanto debruçar-me sobre essa perspectiva bioética.

 
At 16:26, Blogger Desambientado said...

Melena.

É verdade. Não vale a pena comentar aquilo que afirmas de forma clara e redondante.

Um abraço.

 
At 16:29, Blogger Desambientado said...

Olá Teresa.

Com este texto pretendi levantar algumas questões bioéticas e verifico que já estás a tratar dos teus ratinhos com muito carinho.
Tem bom gosto, organizam-se socialmente em família, tem creche lá perto..
Estou a brincar claro.

Um beijinho.

 
At 16:49, Blogger Ana Isabel Godinho said...

Dr. Félix:
Se quer saber alguma coisa deste filósofo, dê uma espreitadela em
http://www.alcoberro.info/V1/jonas0.htm

Ana Isabel

 
At 17:57, Blogger Desambientado said...

Ana Isabel.
Não é uma leitura facil. Posso desde já diantar que estou 100% de acordo com Hans Jonas quando afirma que a responsabilidade emana da liberdade ou que a responsabilidade é o potencial da liberdade.
No entanto não estou completamente de acordo com a sua visão anti-utópica, oq ue não quer dizer que concorde com parte da sua visão anti-Nietzsche.

 
At 18:54, Blogger Cristina Mendonça said...

Aqui nos Açores sinto-me "in heaven", pois não há nenhum animal que me faça arrepios pelas costas, mas fora daqui... Dormir descansadinha da vida debaixo de uma árvore qualquer?! Tomar banho de rio?! E aqueles seres rastejantes?! No way!!! Tenho uma fobia de cobras, ai o que me custou escrever esta palavra...
Mas este post não era para pensarmos apenas nos seres que nos revolvem as entranhas, certo? É para nos fazer pensar de que forma seremos encarasdos pelos outros seres, sejam animais ou vegetais. Estarei certa? Será que as plantas sorriem? Há quem acredite que elas ouvem, pois dialogam com elas. Não sei, sorrir às c..., mas seria demasiado egoista partir para uma exterminação implacável. Parece-me que o melhor é ir-mos cumprindo com as nossas obrigações sem nos chatearmos.

 
At 18:59, Blogger Bitta said...

A forma como escreveste este texto foi formidável! Criamos a ilusão de que falas de uma coisa bela e depois sai uma ratazana horrorosa!

O nosso planeta, e até as nossas vidas, é feito de coisas boas e coisas más. Em tudo existe um lado bom e um lado mau... a sabedoria está em procurar o equilíbrio: o Yin Yang.
A ratazana que anda pelos esgotos das cidades e até nos campos, transmite doenças, é um bicho com um estílo de vida que não serve de modelo a nínguém... Contudo, as que se entregam ao mundo da ciência, servindo de cobaias, muito têm contribuido para a descoberta de novas curas para doenças...

Portanto, acho que tudo faz parte do universo e o universo é tudo.

Para terminar gostava de te agradecer o doce comentário no meu blog.

 
At 19:07, Blogger Nuno Guronsan said...

Pois que gostei muito do texto, meu caro Desambientado, especialmente por causa do final, uma vez que também sou um advogado indiscutível da lei do sorriso. Acho que hoje em dia as pessoas sorriem cada vez menos, e cada vez menos lhes dão razões para sorrir. Talvez o esforço deva partir de nós, mas às vezes é mesmo muito dificil...

 
At 19:40, Blogger Desambientado said...

Cristina.

A intenção era exactamente esta discutir em termos de ética, ou bio-ética, a nossa relação com os seres vivos e levar-nos a pensar até que ponto as nossa fobias nos dão direito a exterminar os outros seres vivos e até que ponto tudo o que nos rodeia terá que ter um carácter utilitário!?
Também pretendia discutir e lançar questões sobre os "animalocídeos" que fazemos, sem termo um pingo de remorso..... Eram estas as questões mais importantes que indirectamente propus que discutissemos.

 
At 19:42, Blogger Desambientado said...

Bitta.

A intenção era essa: Falar de algo arrepiante como se de uma relação de amor se tratasse, e na parte final, falar de amor de algo arrepiante.

É sempre um prazer visitar o teu blog.

 
At 19:44, Blogger Desambientado said...

Nuno.

Concordo contigo, mas alguém tem que começar a fazer esse esforço. Que tal sermos nós, os que passaram por este post e concordaram com esse princípio.

 
At 20:09, Blogger Ana Isabel Godinho said...

Pois, pois.... adiemos a filosofia!
Eu por mim detesto aranhas...mas que direito tenho de matar uma pobre desgraçada, que passa à minha frente (não sei se sorri ou não) só porque me causa replulsa?

Ána Isabel

 
At 21:29, Blogger Desambientado said...

Ana Isabel.
Daqui fala o psicólogo Félix.
" a repugnância por aranhas é muito comum. Não se sinta inferiorizada por isso. Você será capaz de ultrapassar esse medo". Já José Saramago dizia:
"Acho que não tenho medos, tenho apenas repugnâncias. Aversão, por exemplo, a certos bichos. Tenho repulsa a aranhas. No entanto, lembro-me que, quando era menino, carregava-as na mão, brincava com elas."
Deixo-te uma pergunta: Porque razão só a partir de determinada altura passamos a ter determinadas fobias?

 
At 22:07, Blogger Fátima Silva said...

Fobias, questões éticas e bioéticas com arrepios a condimentar.
Comecei a ler com avidez, pensei: "Professor Félix quem se terá atravessado no seu caminho e paralisado a sua "espinha"? Será uma pintura de mulher? Uma mulher ao vivo? Impossível assim... não, ele está a preparar-se para nos pregar alguma... e... que susto! Fiquei mesmo arrepiada, se é que já não estava à bocadinho com as discrições.
Possui a arte de comunicar e de nos fazer entender o outro lado da questão.
Confesso que as ratazanas e as baratas me provocam pavor.
Vou tentar sorrir da próxima vez que vir um desses animais (fora de casa, é claro), mas sei que vai ser um sorriso bem amarelo.
Talvez com a prática se torne mais rosado.

adorei o post e a mensagem que encerra.

 
At 22:15, Blogger Desambientado said...

Fátima.

Dei uma boa gargalhada com o teu comentário. Está cheiinho de humor.

Sorria sempre, como diz o poeta...

Porque mais triste que um sorriso triste, é a tristeza de não saber sorrir.

Entenda-se aqui sorriso triste como sendo um sorriso amarelo.

 
At 23:25, Blogger vidal said...

Olhem minha gente,
Para falar de rato nada como estar-lhe na pele. Tive recentemente uma experiência de 1º grau na festa da Escola. Quem se havia de lembrar de enfiar um rato na história e ainda para mais resolveram escolher-me para o papel. Bem, fui perseguida pelo Gato das Botas, pela lavadeira:
- Um Rato, Deus meu
Que me estraga o dia!
Que alguém o agarre
Com grande valentia.
...e pela moleira que me expulsou detrás do saco de trigo e farinha onde procurei refúgio.
Como é difícil a vida de rato!... mas foi muito divertido.
Porque afinal este animal entra em várias histórias infantis que as crianças adoram: o João Ratão, a fábula do Rato que salva o leão de uma armadilha, o rato Mikey...
Agora a questão da leptospirose já não é brincadeira.

 
At 23:37, Blogger TF said...

Depois destas referências aos arrepiantes bichinhos senti necessidade de esclarecer que os ditos figos visitados por ratos não se destinavam à alimentação humana. Por isso espero que esta história não vos impeça de provar um figuinho seco quando tiverem oportunidade.

 
At 08:40, Blogger Desambientado said...

Eva.

Imagino-te de rato a correr à frente do gato das Botas....
Com a tua pequena história levantas uma questão interessante, que é a imagem social desse animal.
Nas histórias infantis, os ratos são amistosos, são carinhosos, etc. Lembro-me de uma vez ver um dos meus filhos dirigir-se para uma ratazana que estava num jardim público, para lhe ir fazer uma festa. Quando me apercebi dessa tentativa, desatei a correr desalmadamente.
Há perigos reais, não podemos escamotear a questão, como actualmente o da leptospirose, e no passado o do tifo. A imagem do rato, está a ser socialmente denegrida, enquanto que outros animais que também são capazes de transmitir doenças, não.
É melhor parar por aqui se não teria que fazer outro post sobre o rato ao longo da história, ou uma história de ratos.

 
At 08:43, Blogger Desambientado said...

Teresa.

Creio que ninguém deixará de comer figos por isso, do mesmo modo que toda a gente sabe que os ratos vão à farinha e aos cereais, e não é por isso, que deixam de comer pão. A confiança de que o processo elimina toda a possível contaminação, é elevada.

 
At 08:54, Anonymous soslayo said...

Desambientado, logo no início pensei tratar-se de um exemplar único da uma mulher muito vistosa e bem concebida mas, depois saíste-me com uma ratazana, fiquei um pouco decepcionado, no entanto se me derem direito a voto na sua exterminação eu voto no rato e ratazana, só que há um problema e como bem diz já um comentarista acima, em quem vão fazer a experiências laboratoriais. E já agora cuidado com os pipis dos ratos que são mortais. Um abraço

 
At 09:13, Blogger Desambientado said...

Soslayo.

Se o post fosse sobre uma mulher, fugiria um pouco à temática do blog, mas certamente seria muito mais interessante.
O objectivo aqui foi chamar à atenção para questões bioéticas que se passam com os animais na sua grande generalidade. Achei que a melhor forma de prender a atenção ao leitor seria uma descrição, mais ou menos amorosa, com uma ratazana, para dar levar o leitor a concluir que muitas vezes faz um juízo de valor errado...

Quanto à leptospira, que se encontra no chichi do rato, convém informar que ela é activa e como tal pode infectar o homem, se a urina for recente, ou seja, a leptospira não consegue viver à temperatura ambiente mais do que 15 minutos. Por outro lado, para haver contaminação directa com as mãos, é necessário que haja no mínimo uma pequena ferida, para que esta entre directamente em contacto com o sangue.

 
At 10:23, Blogger Ana Isabel Godinho said...

Dr. Félix coloca-me aqui uma questão:"Porque razão só a partir de determinada altura passamos a ter determinadas fobias?" Poderia dar-lhe uma resposta baseada na psicologia, na sociologia, na história até na medecina...mas apetece-me mais responder-lhe através do transcendental: quem sabe se são remeniscencias de vidas passadas?
Platão referia, na sua teoria da remeniscencia, que a alma renascida tantas vezes abarcava o conhecimento completo! O que nos fica de uma vida para a outra? Algo que nasce conosco e que vamos esquecendo à medida que crescemos?
Kant refere a intuição pura ou forma pura de sensibilidade, aquela disposição que está na mente à priori para... ou seja, como aquela estrutura que já nascemos com ela e desconhecemos sua origem.
Não poderá ser uma resposta possivel aos olhos de um físco?

Ana Isabel

 
At 10:38, Blogger Desambientado said...

Ana Isabel.

Voltando ao Kant, "o sistema de condições necessárias e suficientes para conhecer, constitui por si só, o sistema de condições necessárias e suficientes para que as coisas se convertam em objectos e apareçam como objectos".
Nao vejo a reminiscência de vidas passadas como uma coisa ou como um objecto, logo esse pavor, foge da lógica do conhecimento de Kant.

 
At 10:52, Blogger Ana Isabel Godinho said...

Não completamente...não me referia ao conhecimento... mas, neste caso especifico, a partir do quê ele se vai formando, não da parte lógica mas da parte intuitiva que Kant fala.
Fala de fobias, elas têm origem em medos que residem no inconsciente e o que existe no inconsciente como foi lá parar?

Ana Isabel


e que em determinadas alturas entram em funcionamento bloqueando-nos por completo ou levando a reacções que saem fora de controle.

 
At 10:55, Blogger Ana Isabel Godinho said...

Esta ultima parte, que sai fora do sentido ainda se referia às fobias

Ana Isabel

 
At 12:06, Blogger Lua dos Açores said...

Olá
Obrigada pela tua visita e correcção ao título.
Gosto muito da tua escrita e este texto está especialmente conseguido. O suspense está delicioso.
Tenho um exército de gatos que, lambões, roçam as panças nas minhas pernas a exigirem a ração diária e quando, predulária, decido abrir uma latinha para lhes adoçar o "bico" saltam e atropelam-se de unha em riste,na mira de quem primeiro agarra um cubinho de sucolento petisco. Ratazanas? dá muito trabalho...um murganhito para se armarem em pauletas de trazer por casa.
Beijo

 
At 12:22, Blogger Desambientado said...

Ana Isabel.

Freud, responderá melhor a essas questões. O problema é que ele vê tudo pelo lado sexual. Neste caso concreto, sexo e aranhas, acho que não tem nada em comum.

Fisicamente, não há explicação para isso.

 
At 12:36, Blogger Desambientado said...

Lua dos Açores.

Obrigado pelo teu comentário elogioso e visita.
Fiz comentário acerca do erro, porque gostaria também que me fizessem. Normalmente ninguém toma a liberdade de o fazer, tenho que ser eu mesmo a descobri-los.

Um beijinho.

 
At 13:49, Blogger maat said...

falar dos nossos ódios por animais é, a meu ver, falar de algumas sombras que existem em nós.Seria interessante cada um perceber, ao nível do "menos consciente", o que representa cada animal que "odiamos",porque na verdade o que revelamos são os nossos medos.
Para mim, por exemplo,assustam-me as formigas, porque tenho receio de as esmagar... e sei o que isso representa em mim.E assim por diante,de tal maneira que não consigo eleger nenhum para ódio. Consigo, sim, perceber o que eles me provocam e ,às vezes,saber a razão disso.

Percebi que nos quis dizer uma coisa muito simples, mas que carece de um trabalho interior profundo: o amor liberta-nos dos medos. Então comecemos a amar os nossos ódios e dialogando com eles, como o fez.


***maat

 
At 16:17, Blogger folhasdemim said...

Gostei do blog :))
Beijokas, Betty

 
At 20:47, Blogger Desambientado said...

MAAT

Adorei a sua análise, que de simples não tem nada.É profunda, talvez resultado de uma interiorização longa e madura.
O que efectivamente os nossos medos necessitam é desse diálogo interior e libertador.

Gostei imenso do seu regresso ao Arde o Azul.

 
At 20:49, Blogger Desambientado said...

Betty.

Muito obrigado pela sua visita. ´
Aqui será sempre bem vinda.

 
At 09:51, Blogger Lua dos Açores said...

Felix, não sei o q aconteceu não consegui editar o teu comentário ao Amigos...e tinha dois. :-(
Agora vou ler a Amazónia
Beijinho

 
At 10:52, Blogger Desambientado said...

Lua.

por vezes acontece-me o mesmo. O que dizia é que sabes preservar muito bem os amigos, inclusivamente os virtuais.

 

Enviar um comentário

<< Home