Comunidade Portuguesa de Ambientalistas
Ring Owner: Poli Etileno Site: Os Ambientalistas
Anterior Lista Aleatório Junte-se a nós! Próximo

2010-07-03

Ano Internacional da Biodiversidade - Numismática e Simbologia (100$00 dos Açores)

A moeda de 100$00 dos Açores-Portugal, de 1995, comemorativa do Centenário da Autonomia, tem cunhado na face um Açor (Acciper gentilis). O açor (Accipiter gentilis), do latim acceptore, significando que voa rapidamente, é uma ave de rapina da família Accipitridae, distribuída por todas as regiões temperadas do hemisfério norte.
É a ave que aparece na bandeira dos Açores.

O arquipélago dos Açores deve o seu nome ao açor, porque quando os descobridores do arquipélago lá chegaram pensaram ver açores. Mais tarde, concluiriam que as aves eram, afinal, milhafres (Buteo buteo rothschildi) ave endémica dos Açores.
O Açor é um ave de rapina diurna, parecida com o falcão, com um comprimento de aproximadamente 50 cm, cor preta e ventre branco com manchas pretas; asas e bico pretos, cauda cinzenta, manchada de branco e pernas amareladas. Era muito apreciado antigamente em falcoaria. O Queimado (Buteo Buteo) subespécie, rothschildi, foi descrita por H. Kirke Swann, em 1919, como de cor do dorso castanha-ferrugem, uniforme; peito listrado de castanho escuro; abdómen cor de canela a canela-creme com listas amarelo-tostado; cauda castanho claro ou amarelo-tostado, com barras mais escuras, cerca de 5, pouco nítidas, nos indivíduos mais velhos, cerca de 10, distintas, nos indivíduos mais novos.
A espécie de açor americana, A. atricapillus, mede cerca de 60 cm de comprimento. Estas intrépidas aves, notáveis pelos seus habilidosos voos com que seguem todos os movimentos das suas presas, constituem, juntamente com o gavião, os mais implacáveis inimigos dos passarinhos.
Os açores estão ameaçados de extinção na Europa e América, e o Milhafre ou Queimado, a única ave predadora, diurna, existente nos Açores, não está ameaçada mas encontra-se protegido pela Convenção Relativa à Protecção da Vida Selvagem e do Ambiente Natural da Europa (Convenção de Berna), que Portugal ratificou e transpôs para a ordem jurídica interna pelo Decreto-Lei n.º 95/1981, de 23 de Julho, e que regulamentou pelo Decreto-Lei n.º 316/1989, de 22 de Setembro.